MP vê fraude em patrimônio e pede impugnação de Zé do Pátio

Atual prefeito e candidato à reeleição em Rondonópolis ainda é acusado de criar empresa fictícia para não devolver dinheiro aos cofres públicos

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

O Ministério Público Eleitoral (MPE) requereu a impugnação do registro de candidatura do prefeito de Rondonópolis, José Carlos do Pátio (Solidariedade).

Candidato à reeleição, Pátio é acusado de ocultar patrimônio na declaração de bens entregue à Justiça Eleitoral. Ele teria fornecido informações falsas, com valores abaixo de mercado, a respeito do patrimônio atual e ainda omitido informações quanto à propriedade de três veículos e da participação em uma empresa privada.

A ação assinada pela promotora de Justiça Patrícia Eleutério Campos Dower ainda acusa o prefeito de constituir uma empresa fictícia – a CMM Investimentos e Participações LTDA – na qual figuram como sócios a esposa e os filhos, somente para transferir a propriedade de seus bens e evitar a devolução de dinheiro aos cofres públicos, pois já sofreu três condenações por improbidade administrativa.

Na avaliação do Ministério Público, ao fraudar a declaração de patrimônio, Pátio não atendeu aos requisitos da Resolução nº 23.609/2019 do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que exige a correta declaração de patrimônio no momento de formular o requerimento do registro de candidatura.

O que diz a defesa?

Responsável pela assessoria jurídica do prefeito Zé do Pátio, o advogado Lenine Póvoas contestou a argumentação apresentada pelo Ministério Público para requerer a impugnação.

“Não tem fundamento jurídico. É questionada a veracidade do patrimônio, mas a legislação exige apenas que seja informado o patrimônio. Não cabe discutir se é verídico ou não. Se não for, caberia uma explicação à Receita Federal. Parece que está ocorrendo um desvirtuamento do Ministério Público com essa ação por motivo, o que é lamentável, pois a instituição é fundamental à sociedade e essencial à democracia”, comentou.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMT pode ter cadastro estadual de condenados por estupro
Próximo artigoGolpe ou campanha suja?