Minha conversa com o presidente

Enfatizei ao presidente que o grande problema da universidade não era apenas a doutrinação das mentes, mas também a má formação de profissionais

Olá pessoal. O artigo de hoje será pequeno, mas com um gostinho especial. Isso porque mostrarei dados que apresentei ao presidente Jair Bolsonaro, na manhã da última segunda-feira (25).

A conversa deveria focar no movimento Docentes pela Liberdade, mas não tinha como deixar de falar das minhas análises sobre a ciência e educação superior no Brasil. Disse para o presidente que falaria de uma área de estudo com nome esquisito, mas de grande relevância para conhecer a eficiência (ou não-eficiência) das nossas universidades e pesquisas científicas: a cientometria.

Falei inicialmente para o presidente que o Brasil publica muitos artigos científicos, 78 mil em 2017, passando de 80 mil em 2018. Somos o 14º colocado do mundo em quantidade de publicações. E isso foi muito celebrado pelos governos anteriores.

Porém, em impacto científico, esses estudos apresentaram – na média – resultados pífios. A mensuração do impacto de dezenas de milhares de publicações só é possível pela avaliação das citações desses estudos por outros artigos.

Nesse sentido, em um ranking de 70 países com pelo menos 3000 publicações em 2017, ficamos em 58º lugar em citações por publicação (CPP). Repito, 58º colocado de 70 países! O impacto da ciência brasileira, em 2017, apresentou apenas 46% do 1º lugar do mundo, a Suíça (CPP Suíça = 4,92).

O presidente percebeu na hora – ao olhar a ilustração – que o Brasil estava empatado com a Nigéria (ambos com CPP = 2,25) e abaixo da Argélia. Bolsonaro não gostou nada desse resultado!

O impacto do Brasil pode ser determinado também pelo indicador Rank Score (que vai de 0 a 10, onde “zero” é o último colocado do ranking e “dez” o 1º). Em 2017, estávamos com 1,7 de Rank Score (58º lugar de 70 países; o cálculo: [1- (58/70)] x 10). Ao fazer uma análise temporal de impacto, mostrada no gráfico abaixo, verificamos que há um crescimento do Rank Score de 1997 até 2005. Nesse ano – 2005 – atingimos o melhor resultado da série histórica, com Rank Score = 3,9 (29º lugar de 48 países com ao menos 3 mil publicações; tínhamos 49,5% do CPP do 1º lugar, a Suíça).

De 2009 em diante ocorre uma queda acentuada de impacto e chegamos em 2018 com o menor valor dos anos analisados: 1,4 de Rank Score (63º lugar de 73 países). No momento que Presidente olhou o gráfico, percebeu que nos anos de queda vertiginosa de impacto, o Brasil vivia sob a Era Lula-e-Dilma.

Quando mostrei para o Capitão essa figura, enfatizei que o máximo da escala era 10 (dez), apesar de ter cortado o gráfico no ponto 4,5. O DEZ da escala em 2017 foi a Suíça. A foto abaixo mostra a proporção real do impacto do Brasil em relação ao 1º lugar. Deveria ter mostrado esse gráfico ao presidente!

Comentei ainda que a Estônia estava em 5º lugar em impacto científico em 2017, mas que foi 1º lugar em 2016 e 2018. Disse ao presidente que essa nação Báltica era muito pobre ao sair da União Soviética nos anos 90, e não tinha qualquer recurso natural, exceto as estonianas lindíssimas! Graças ao desenvolvimento científico-tecnológico de alto nível, se transformou num país invejável do ponto de vista do liberalismo econômico, com pouquíssima burocracia estatal.

A Química

Falei ainda que esse baixo impacto da pesquisa brasileira se dava em praticamente todas as áreas de saber. Como não haveria tempo de mostrar área por área (são 26 grandes áreas), resolvi falar da Química, pois é o que meu filho Pedro estuda na graduação – obviamente me preocupo muito com essa área!

Em quantidade de publicações o Brasil não vai mal entre os químicos do planeta: 15º lugar. Publicamos 5,9 mil trabalhos em revistas internacionais em 2018. O 1º lugar foi a China, com quase 86 mil trabalhos, seguido dos EUA com 39,5 mil publicações. Porém, em impacto (medido em CPP), nossa posição é a 45ª dentre 57 países com pelo menos 500 publicações na área. Repito: 45º lugar dentre 57 países. O CPP do Brasil em Química foi 0,64. Tal valor foi muito abaixo do 1º lugar, Singapura, com CPP = 1,80.

Quando olhamos a linha do tempo do impacto internacional da Química, verificamos que o Brasil sai de 45-55% do CPP da 1º colocado mundial até 2006, caindo para 30% em 2012. Recupera um “tiquinho” nos anos subsequentes, para 35%. São os pontos circulares em azul no gráfico acima.

O presidente não ficou nada contente com esses resultados. Comentei com ele que a grande imprensa e os líderes universitários repudiam que tais dados venham a público, pois causariam humilhação ao corpo acadêmico. Ou seja, a verdade não pode vir à tona.

O país com a “medalha de ouro” de impacto em Química é Singapura. É o 1º lugar desde 2009 (foi 1º também em 2007). Comentei com o Presidente que esse país tem apenas 12% da área do Distrito Federal! Tão pequeno e tão eficiente!

Não deu tempo de falar da curva do impacto do Brasil em relação a média do mundo em Química. Nessa métrica o Brasil sai de uma média de 75-80% do impacto mundial (de 1996 e 2005) para cerca de 65% entre 2013 e 2018.

As universidades

Para encerrar, falei das universidades brasileiras. Mostrei que a USP é, de acordo com o Leiden Ranking, a 8ª maior universidade do mundo em termos de quantidade de publicações científicas. Enfatizei ao Presidente que a grande imprensa tenta confundir a população dizendo que a USP seria a 8ª melhor do mundo. Comparei Hollywood com Bollywood, em termos de quantidade e qualidade de filmes.

O presidente me disse que nunca assistiu um filme de Bollywood, apesar de produzirem dez vezes mais filmes que Hollywood. Quantidade não é sinônimo de qualidade! O Presidente entende muito bem o quanto a grande imprensa mente!

O que importa de fato é o impacto científico da pesquisa universitária, que é quantificada pelo percentual de artigos que estão entre os 10% mais citados do mundo. Nesse quesito, conhecido como “% top10”, nossa universidade mais bem classificada está na posição 711, que é a Federal do Ceará. A USP está na 780ª posição (e 8ª posição dentre 21 universidades brasileiras avaliadas pelo Leiden). O presidente tomou um susto com esses dados.

A instituição que ficou em 1º lugar do mundo, o Massachusetts Institute of Technology (MIT), apresentou uma taxa de quase ¼ das publicações pertencentes à lista “top 10%” em citações (2252 publicações “top 10” dentre 10.358 – ou seja 24,6%). A Universidade Federal do Ceará (UFC) teve apenas 7,1% dos seus trabalhos nesta lista seleta, ou seja, 115 publicações “top 10” dentre 1629.

Além disso, comentei com o Presidente que Índia, país abaixo do Brasil em PIB per capita (e 70º colocado no ranking de impacto em CPP, entre 73 países), apresenta 13 instituições na frente da 1ª colocada do Brasil (UFC) no Leiden ranking. Todas essas instituições Indianas apresentam “% top-10” acima de 7,1%. A instituição melhor posicionada da Índia, a Aligarh Muslim University (https://www.amu.ac.in/), está na 294ª posição do planeta. É uma colocação modesta no ranking de impacto, porém muito melhor que a UFC (a imagem abaixo não foi mostrada para o Capitão).

Disse para o presidente Bolsonaro que era inadmissível que o Brasil – 8ª maior economia do mundo – não ter pelo menos uma universidade entre as 100 primeiras colocações mundiais de impacto. Essa vergonha é certamente fruto de 30 anos de dominação esquerdista nas universidades e nas políticas públicas de educação superior.

Final da conversa sobre cientometria

Para terminar, falei para o Presidente que ao menos, metade do PIB do Brasil tem relação com as universidades. Pois é de lá que saem engenheiros, médicos, agrônomos, farmacêuticos, químicos, biólogos, administradores, advogados, jornalistas, economistas, professores, etc.

Apesar da baixa conexão com o mundo real de boa parte da vida universitária (vide por exemplo o elevadíssimo nível de esquerdismo nas universidades em comparação com a sociedade como um todo, que deu 57 milhões de votos ao Bolsonaro), é de lá que saem os corações e mentes que movimentam a nação.

O baixo impacto da pesquisa da universidade é um termômetro do estrago que ela pode fazer na sociedade. Apear do custo elevadíssimo, coloca no mercado de trabalho – na média – muitos maus profissionais.

Enfatizei ao presidente que o grande problema da universidade não era apenas a doutrinação das mentes (assunto de grande conhecimento do Capitão), mas também a má formação de profissionais.

Se o professor universitário produz estudos que poucos têm interesse (já que são pouco citados), qual seria sua capacidade de formar grandes profissionais?? É nesse sentido que vemos o abismo, em impacto, da nossa universidade mais bem posicionada no Leiden ranking (a UFC) com o MIT (1º colocado do planeta).

Os estudos realizados no MIT têm 3,5 vezes mais impacto que os da UFC – uma diferença muito grande! Vide gráfico abaixo (que também não foi mostrado para o Capitão), comprando UFC com Aligarh Muslim University e MIT.

Há um slide final, que apresentei ao presidente, sobre minha teoria da Origem do Ovo da Serpente, mas não irei divulgar. Esse é um assunto reservado, ao menos por enquanto! Sorry folks!

Agradecimentos

Gostaria de agradecer ao estudante de geografia da UFC, Matheus Alferes, por me ajudar a fazer os cálculos cientométricos de Química, ao engenheiro Peterson Dayan Gonçalves (professor do IESB e Diretor Financeiro do Docentes pela Liberdade) por ajudar na produção dos slides entregues ao Presidente, a minha esposa Aline Loretto Garcia, pela revisão do texto desse artigo, e ao Prof. Arthur Weintraub (Unifesp), Assessor Especial da Presidência, por me acompanhar na conversa com o Capitão. Na verdade, partiu do Arthur a marcação do encontro.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

O LIVRE ADS