Hospitais e similares: sindicato acusa Unimed de não pagar o combinado aos prestadores de serviço

Valores tiveram descontos indevidos entre 30% e 60%, alega entidade que representa estabelecimentos de Saúde

O Sindicato dos Estabelecimentos de Serviços de Saúde do Estado de Mato Grosso (Sindessmat) protocolou na última quinta-feira (23) um ofício no Ministério Público do Estado de Mato Grosso (MPE) denunciando condutas abusivas praticadas pela Unimed Cuiabá Cooperativa de Trabalho Médico, a Unimed Cuiabá.

No documento, o sindicato informa que a operadora enviou demonstrativo de pagamento aos prestadores de serviço com redução que varia de 30% a 60% dos serviços prestados pelas empresas no último mês. O mesmo documento foi encaminhada à Agência Nacional de Saúde (ANS).

Conforme o Sindessmat, sindicato que representa empresas e estabelecimentos particulares de saúde do estado, a entidade foi alertada por prestadores de serviços da operadora de diversas áreas, como hospitais, laboratórios, clínicas médicas e de imagens sobre o não pagamento do valor total dos serviços prestados.

De acordo com o Sindessmat, o não cumprimento das obrigações financeiras por parte da Unimed Cuiabá frente à rede credenciada coloca em risco à assistência aos beneficiários desta operadora, que representa mais de 63% de toda a rede de saúde suplementar da Capital mato-grossense.

No ofício, o sindicato aponta que a Unimed Cuiabá, principal operadora do Estado e com irrefutável domínio de mercado, utiliza de manobras que acendem um alerta vermelho sobre a capacidade de honrar seus compromissos financeiros, sem atingir toda uma rede de assistência e os mais de 240 mil beneficiários que dependem do plano de saúde. Além de causar insegurança jurídica em todo o mercado de saúde privada da capital.

A denúncia do Sindessmat ganhou força com o número recente de polêmicas envolvendo a Unimed Cuiabá. Entre elas está o descredenciamento de empresas com notória credibilidade no segmento, cobrança de coparticipação em valores estratosféricos e sem a devida comprovação de pacientes dependentes de terapias contínuas, como crianças autistas.

Leia também:

Encaminhamentos da categoria

A entidade informou ainda que houve a abertura de um inquérito civil para investigar a adoção da prática do teto financeiro (já denunciada a ANS), que causa sérios prejuízos aos prestadores – que deixaram de receber pelos serviços prestados em meio à pandemia.

Segundo o sindicato, a Unimed tomou uma atitude unilateral e ainda colocou as empresas de saúde sob ameaça de descredenciamento aos que não aderirem ao teto.

O que a Unimed tem a dizer sobre o caso

A Unimed Cuiabá informou que não há nenhuma irregularidade no pagamento  e que todas as alterações no pagamento estão pacificadas desde o 1º semestre deste ano. Alega ainda não não reconhece o Sindessmat como representante dos prestadores de serviço que atendem a cooperativa.

Veja nota na íntegra:

(Com informações da Assessoria)

 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorProjeto ao agro
Próximo artigoExposição excessiva de crianças em redes sociais pode causar danos