Ferrovia em Cuiabá: do sonho à realidade

Imagem ilustrativa (Foto: Pixabay)

* Carlos Avallone

Este 20 de setembro entrará para a história como o dia em que Cuiabá assegurou definitivamente a concretização do sonho de Vicente Vuolo e de tantas lideranças políticas, empresariais e comunitárias: o trem, enfim, vai chegar a Cuiabá.

A assinatura pelo governador Mauro Mendes do contrato com a concessionária oficializa a implantação da nossa primeira ferrovia estadual, 730 km  de linha férrea interligando Rondonópolis a Cuiabá, e Rondonópolis a Nova Mutum e Lucas do Rio Verde.

Como parlamentar, tenho muita honra de ter contribuído nas ações de protagonismo da Assembleia Legislativa, que asseguraram as condições legais para estes avanços históricos. A ferrovia em Cuiabá foi possível graças à aprovação, no Parlamento, de uma Proposta de Emenda Constitucional e de um Projeto de Lei Complementar que deram a sustentação legal necessária.

Em 2020, em co-autoria com os colegas Eduardo Botelho e Janaína Riva, apresentamos a PEC  que gerou a emenda constitucional 93, aprovada por unanimidade, autorizando  o governo a construir e explorar de forma direta a malha ferroviária. No início deste ano aprovamos o PLC 685 que dispõe sobre o Sistema Ferroviário do Estado.

Graças a estas iniciativas parlamentares, o Executivo pode contratar esta obra que vai beneficiar muito a Baixada Cuiabana e todo o estado.

A luta pela ferrovia, iniciada pelo visionário Vicente Vuolo,  prosseguiu ao longo de décadas com o empenho de parlamentares, governadores e presidentes da República, com apoio dos segmentos sociais.

Embarquei nesse trem, que povoa o imaginário cuiabano, nos anos 90 como secretário de Estado de Indústria e Comércio no governo Dante de Oliveira. Tive a honra de participar dos esforços para a conclusão da ponte rodoferroviária entre SP e MS. Dante foi incisivo pela conclusão da obra junto ao governador Mário Covas e ao presidente FHC. No final do governo Dante, ainda tive o prazer de participar com ele da inauguração da ponte rodoferroviária viabilizando a chegada dos trilhos a Alto Taquari e Alto Araguaia.

Em 2019, coordenei uma audiência pública da Assembleia e Senado sobre a ferrovia, com apoio dos senadores Jayme Campos e Wellington Fagundes. Também organizei uma visita técnica ao terminal ferroviário de Rondonópolis, com lideranças políticas, empresariais e comunitárias.

Sempre defendi que a Baixada Cuiabana não poderia ficar fora desse trem. Existe hoje uma demanda para transporte de mais de 20 milhões de toneladas de produtos para Cuiabá através de contêineres. Este frete de retorno justifica a implantação de um terminal de contêineres e outro de combustíveis na região.

A implantação da ferrovia é um investimento de R$ 11,2 bilhões que deve gerar mais de 230 mil empregos.  É muito mais que transporte de mercadorias, pois fortalece a economia e abre novas oportunidades de trabalho.

O foco agora é a geração de empregos durante a construção da ferrovia. Por isso apresentei emenda ao projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO 2022). Queremos elevar de 10 mil para 100 mil trabalhadores qualificados pelo governo para as vagas geradas pelas obras.

O sonho da ferrovia em Cuiabá está consolidado e se concretizará fisicamente até 2025, com benefícios para toda a população. O trem está chegando. O sonho de Vuolo é realidade!

Carlos Avallone é deputado estadual e presidente do PSDB-MT

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPartido dos Trabalhadores confirma possível aliança com MBL contra Bolsonaro
Próximo artigoDEM deve decidir amanhã se fará fusão com PSL para 2022