Estudo deverá respaldar regulamentação de áreas alagáveis em MT

Produtores da região do Guaporé querem acompanhar e participar da pesquisa

Um Comitê Técnico, designado pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), vai realizar um estudo para subsidiar a política pública de utilização de áreas alagáveis em Mato Grosso. Com o levantamento, representantes dos Poderes Executivo, Judiciário, Legislativo e da sociedade civil organizada deverão debater sobre uma legislação específica para a região oeste do Estado a fim de garantir a segurança jurídica dos ocupantes.

De acordo com a Ordem de Serviço da Embrapa, o Comitê apresentará um Plano de Trabalho com justificativas, cronogramas, orçamento e indicação de parceiros institucionais para subsidiar tecnicamente a Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema). De acordo com a secretária de Estado, Mauren Lazzaretti, a Sema solicitou a parceria da Embrapa Pantanal para auxiliar na elaboração da pesquisa sobre a devida utilização das áreas úmidas.

O deputado Valmir Moretto explica que com os estudos em mãos, será possível ampliar o debate público e assim regulamentar a utilização das áreas em pauta de forma equilibrada. “Precisamos chegar a legislação que permita a preservação do local sem prejuízos para as atividades existentes há mais de cem anos na região. O estudo será fundamental para dar o respaldo técnico e assim poderemos realizar audiências públicas, conversar com os agentes envolvidos e elaborar uma proposta de lei”.

Os produtores rurais da região oeste do Estado manifestaram interesse em participar ativamente dos estudos e do debate público. Luciano Barbosa, que possui uma propriedade que está há mais de 50 anos em posse de sua família, explica que a produção agropecuária na região é realizada em harmonia com o ecossistema local. “É preciso respeitar as atividades realizadas aqui e sem impactos negativos. Queremos participar desta discussão e ajudar a construir um texto que não nos coloque às margens da lei”.

A produtora Terezinha Helena Staut Costa preside a Associação Campos do Guaporé e explica que a entidade busca apresentar a realidade da região, as atividades presentes e garantir o direito de produzir alimentos e gerar o desenvolvimento econômico e social. “Aqui nos campos do Guaporé, por exemplo, não é Pantanal. Temos algumas áreas alagáveis pontuais e que há anos são utilizadas de forma eficiente. Nós queremos comprovar isso com os estudos”.

De acordo com o documento da Embrapa, Ordem de Serviço 007/2020, o Comitê Técnico contará com sete pesquisadores e tem um prazo de 40 dias para apresentar à chefia da Embrapa Pantanal um Plano de Trabalho sugestivo.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorRiva entrega políticos, funcionários públicos, empresários e membros do Judiciário
Próximo artigoRiva vai devolver R$ 92 milhões e ficar preso em casa; saiba quais são os termos da delação

O LIVRE ADS