Dieta de informação

Podemos afirmar com toda a certeza que nunca antes a informação esteve tão disponível como agora. Mas podemos afirmar que somos a geração que melhor faz uso dela?

Esse é um assunto que eu venho a dias ruminando. O tema aparece, vai embora, retorna, e ficamos nessa dança de gato de rato. Não mais! Pensando aqui, acho que até sei porque demorei para escrever sobre o assunto. A coisa mais fácil de adiar é uma dieta, e como tem essa palavra no título, talvez tenha sido um ato falho.

Bom, sem mais devaneios! O que seria dieta de informação?

Acredito que o título seja autoexplicativo, mas o assunto merece toda a atenção.

Você compra muitos mais livros do que consegue ler? Compra muito mais cursos do que consegue assistir? Então estamos no mesmo barco.

A informação nunca esteve tão disponível, mas por que temos tanta dificuldade?

Eu resumiria na palavra: foco.

Nos vemos parados diante de uma pilha de informação sem saber por onde começar.

Vou propor apenas uma reflexão sobre esse assunto diante de tantos possíveis. Imagine comigo a seguinte situação: uma pessoa tem toda a comida que gostaria disponível, e faz refeições o tempo todo satisfazendo sempre o seu paladar.

Eu te pergunto, essa pessoa está saudável?

O mesmo vale se trocarmos a comida pela informação nesse exemplo. Se empanturrar de informação, ainda que boa, não garante conhecimento. Assim como na nutrição é preciso qualidade e quantidade certa.

3 dicas práticas para você aplicar hoje:

1 – Diminua seus seguidores no Instagram. Foi a melhor coisa que eu fiz. Mesmo que você goste de um assunto, você não precisa saber o que TODOS estão falando sobre o mesmo assunto. Hoje eu sigo 7 pessoas, há quem recomende 30. Te garanto que sua rotina vai ficar mais leve. Comece os poucos, mas comece hoje.

2 – Aceite que uma vida é pouco para tanto. Não tem como ser o melhor do seu trabalho e ainda saber sobre política, economia, psicologia e churrasco. Temos que renunciar certas coisas pela simples inexistência de tempo para faze-las. Para dizer “sim” para algumas coisas, temos que dizer “não” para tantas.

3 – Ainda que você tivesse certeza que iria falhar, o que ainda assim você faria porque vale a pena? É por aí que você deve começar.

Comece agora, que eu te acompanho em seguida.

 

Marco Túlio é músico, publicitário e professor. Seu instagram é @omarco.tulio

 

 

 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorALMT vota multa de R$ 180 para o cidadão
Próximo artigoNegócio com a Rússia