Crise financeira impulsiona grupo de produtores rurais a pedir recuperação judicial

Variação cambial e juros elevados comprometeram a saúde financeira e ficou difícil honrar dívidas

A variação cambial, juros elevados e interferências climáticas são apontadas pelo Grupo Pereira, com sede em Primavera do Leste, como alguns dos fatores determinantes para que a diretoria entrasse com pedido de recuperação judicial com um passivo de R$ 30 milhões.

Com mais de duas décadas no ramo, os empresários rurais Erico Piana Pinto Pereira, Neiva Piovesan Pereira e Péricles Piovesan Pereira afirmam que o setor do agronegócio tem sido amplamente prejudicado pela crise econômica.

Além das secas prolongadas dos últimos anos, eles apontam a doença da ferrugem da soja como outro fator que teria trazido prejuízos à produção, marcando o início do desequilíbrio financeiro.

Emaranhado de dívidas

Foi então que o grupo se viu perdido em meio a um emaranhado de dívidas, como explica o advogado Euclides Ribeiro, da ERS Consultoria e Advocacia e responsável pelo processo.

“Apesar de toda a experiência no setor, nos últimos anos, as dívidas se avolumaram. E mesmo após fazer uso de terrenos, imóveis urbanos e veículos como forma de pagamento aos credores, não restou alternativa senão ingressar com o pedido de recuperação judicial”.

Segundo o advogado, essa é a mesma história de muitos outros pioneiros que tiveram que abandonar a atividade.

“O cenário é devastador e preocupante e está impondo a perda de terras e criando a exclusão definitiva do maior responsável pelo agronegócio no Brasil, o produtor rural”, conta.

O advogado afirma que fazer uso da ferramenta da recuperação judicial é essencial para proteção do direito à atividade.

“É a melhor forma de uma permissão legal para que os devedores, juntamente com seus credores, negociem uma forma de manter a fonte produtora de empregos, receitas e tributos”, finaliza Euclídes.

À espera do deferimento

A partir do deferimento do Pedido de Recuperação Judicial, o processo tem continuidade com a elaboração do plano de recuperação, em que a empresa expõe as dívidas e a proposta de pagamento aos credores.

Com mais de duas décadas no ramo, o Grupo Pereira desenvolve suas atividades em 1.200 hectares de terras próprias, além de arrendar 1.500 hectares para o cultivo das lavouras de soja, milho, feijão, algodão, milheto e crotalaria. Nos períodos de safra, são geradas dezenas de empregos.

(Com assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCuiabano na avenida
Próximo artigoEm tom de despedida

O LIVRE ADS