CRECI pede aos deputados de MT que alterem PL e incluam os corretores de imóveis como MEI

Conselho quer apoio da bancada de Mato Grosso na Câmara dos Deputados.

ASSESSORIA

O Projeto de Lei Complementar 30/21, do Senado, foi enviado para a Câmara dos Deputados. O PL inclui jornalistas como MEI, mas deixou de fora os destaques que pediam a inclusão de outras categorias ao projeto, dentre eles a profissão de corretor de imóvel. Nesse sentido, o Conselho Regional de Corretores de Imóveis de Mato Grosso (CRECI/MT) estará protocolando à Câmara dos Deputados o pedido para que o texto seja modificado, e inclua a classe dos corretores de imóveis.

O objetivo do Conselho é beneficiar a Classe que soma hoje em aproximadamente 400 mil corretores de imóveis e 50 mil imobiliárias ativas no país.  No estado de Mato Grosso são mais de 10 mil profissionais e 1.200 imobiliárias.

Segundo o presidente do Conselho Federal de Corretores de Imóveis (Cofeci), João Teodoro, a inclusão dos corretores de imóveis ao projeto permite melhores condições de atuação profissional para a classe, que poderá atuar como microempreendedores individuais. “Será uma conquista significativa”, ressaltou.

Para o corretor de imóveis Alexandre Figueiredo, o profissional registrado no MEI paga menos impostos, tem mais simplicidade e não precisa enfrentar burocracia. “Nossa categoria se enquadra, e é merecedora deste benefício”, pontuou.

O diretor jurídico do CRECI/MT, também cita inúmeras vantagens para o corretor de imóveis, ser um microempresário individual. “Ele terá um CNPJ, poderá emitir notas fiscais com alíquotas menores de impostos, passará a contar com todos os benefícios do INSS, como aposentadoria, auxílio doença, salário maternidade, etc. Terá acesso, também, a uma linha de crédito com juros baixos, disponível nos principais bancos do país”, acrescentou.

Para se tornar um MEI, o profissional interessado deve seguir algumas regras importantes, e deve ainda aderir ao cadastro no Simples Nacional. O MEI é uma categoria de empresários criada pela Lei Complementar 128, de 2008. Essa lei cria a figura do microempreendedor que trabalha de maneira individual. Com isso, o profissional liberal pode abrir empresa no próprio nome e atuar de forma regularizada perante o Governo.

Tramitação

O projeto tramita em regime de urgência e será analisado pelas comissões de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania. A proposta também será votada pelo Plenário.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDesvio de finalidade
Próximo artigoDe olho na reeleição