CRECI defende veto ao PL que proíbe o despejo de imóveis alugados

Cristiane Guerreiro- Assessoria de Comunicação

O projeto de lei nº 827/20, que proíbe o despejo ou desocupação de imóveis comerciais e residenciais até 31 de dezembro de 2021, para aqueles que deixam de pagar os aluguéis, foi vetado pelo presidente da república Jair Bolsonaro. O veto foi publicado no Diário Oficial da União, no dia 5 de agosto.

O veto integral do projeto de lei recebe apoio do Conselho Regional de Corretores de Imóveis de Mato Grosso, que atua em consonância com o Conselho Federal da classe, para derrubar a proposta apresentada pela deputada Rosa Neide (PT/MT), que tem a pandemia como justificativa para a proibição do despejo ou desocupação de imóveis.

Na Câmara, o PL foi aprovado por 59,23% dos votantes (263 x 181). No Senado, a aprovação foi de 51,35% dos presentes (38 x 36). No texto a suspensão dos despejos se refere aos contratos de aluguel com valor de até de R$ 600 para imóveis residenciais e R$ 1,2 mil para imóveis não residenciais.

Segundo o presidente da classe dos corretores de imóveis de Mato Grosso, Benedito Odário, o Congresso não respeitou o direito de propriedade. “Os reflexos da pandemia atinge não só o inquilino, mas também o proprietário do imóvel que depende da renda dos aluguéis para se manter. Não aceitamos tirar o direito do proprietário de receber seu aluguel, isso é potencializar a inadimplência do setor”, opinou o presidente.

O presidente do Conselho Federal dos Corretores de Imóveis, João Teodoro, destaca que o  projeto interfere na relação contratual entre proprietário e inquilino. “Essa interferência é inaceitável, pois vai  fortalecer a quebra de contrato e até mesmo  beneficiar a ocupação ilegal”, ressaltou.

O Conselho Federal  com o apoio dos Conselhos Regionais estão articulando para que o veto presidencial não seja derrubado.

O veto ainda será analisado pelo Congresso. Para rejeitar um veto, é preciso o voto da maioria absoluta de deputados (257) e senadores (41).

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorO presidente da pandemia
Próximo artigoBolsonaro é ovacionado por apoiadores ao desembarcar em MT