Com sarcasmo, deputado espanhol “comemora” avanço do “fascismo” na Hungria

Político conservador deixa claro o tom humorístico de sua postagem em tweet seguinte

Deputado espanhol Francisco José Contreras levantando crucifixo de tio sacerdote martirizado (Foto: Contando Estrelas/Youtube/Reprodução)

O deputado espanhol pelo partido Vox, Francisco José Contreras, “comemorou” em seu twitter, o avanço do “fascismo” na Hungria. Político liberal-conservador, Contreras deixou bem claro no tweet seguinte que se tratava de sarcasmo, pois alguns internautas não entenderam a piada.

O termo foi utilizado pelo deputado para escarnecer a esquerda, que, por vezes, utiliza tal palavra ao designar vários pontos contrários a suas ideias. O “fascismo” húngaro exposto pelo político espanhol é, na verdade, a queda no número de abortos e de divórcios no país, além do aumento significativo de nascimentos de bebês, fatos de extrema importância para Contreras e todos os conservadores do mundo, mas péssimos para os esquerdistas.

Os seguintes números sobre a Hungria foram apresentados pelo parlamentar em sua rede social:

  • os abortos caíram de 40.449 em 2010 para 25.901 em 2020;
  • os nascimentos aumentaram de 90.335 a 92.233;
  • a taxa de divórcios caiu de 23.873 para 15.210; e
  • os nascimentos dentro do matrimônio aumentaram de 52% para 61%.

Contreras, ainda em tom sarcástico, completa sua postagem com a seguinte frase: “Terrível retrocesso referente da diversidade familiar e dos direitos das mulheres!”.

A luta contra o aborto na Hungria

Embora o aborto na Hungria seja permitido até a 18ª semana de gestação, mudanças constitucionais vêm ocorrendo para barrar essa prática hedionda. Para desespero da oposição, tais modificações contam, inclusive, com o apoio do Primeiro-Ministro húngaro Viktor Orbán, segundo o site Reporting Democracy.

Ainda de acordo com esse site, a Organização das Nações Unidas (ONU) e a Organização Mundial da Saúde (OMS) já se declararam fortemente contrárias às leis que tentam diminuir o aborto no país do leste europeu. Essas instituições alegam que controlar e erradicar o aborto seria tolher direitos humanos.

Declaração de Consenso de Genebra

Em 2020, a Hungria e 31 outras nações – incluindo o Brasil – assinaram a Declaração de Consenso de Genebra, cujos objetivos principais são melhorar a saúde da mulher e preservar a família.

O documento deixa claro que o direito ao aborto não existe e que “não se deve promover o aborto como método de planejamento familiar em nenhum caso”.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAtor protagonista sugere que fãs revejam 4 episódios de Dexter antes do revival
Próximo artigoFisco: seu dinheiro não precisa ficar preso em ações