Câncer e saúde emocional

Foto: Assessoria

A descoberta do diagnóstico de câncer causa grande impacto na vida do paciente. As incertezas e diversos medos assombram sua saúde mental e a instabilidade emocional, nesse momento, é sentida com mais intensidade. As mais diferentes histórias já conhecidas e algumas vivenciadas de perto, por um amigo ou membro da família, passam pela cabeça. Algumas delas trazem bons prognósticos, mas outras, nem tanto. Enquanto isso, o medo e a sensação de insegurança estão à espreita. Esses sentimentos estão sempre presentes, e outros sintomas, que vão além da parte física podem surgir.

O câncer pode desencadear muitas reações, tanto no aspecto físico quanto emocional, e alguns sentimentos, desequilíbrios e conflitos internos, surgem causando um sofrimento intenso, capaz de resultar em uma desorganização psíquica, implicações estas que, vão depender da localização, do estágio da doença e do tratamento.

O diagnóstico e todo o processo da doença apresentam consequências diversas tanto ao paciente como para sua família. No paciente, é possível que desconfortos físicos e/ou psicológicos apareçam, seguidos de quadros de ansiedade, sintomas depressivos, mudanças na autoimagem e alterações de hábitos e estilos de vida.

Além do estigma de uma enfermidade dolorosa e fatal, a pessoa com câncer vivencia no tratamento, comumente longo, perdas e sintomas adversos, podendo ocasionar prejuízos às suas habilidades funcionais, vocacionais e incerteza quanto ao futuro. Diante disso, costumam ocorrer muitas fantasias e preocupações em relação à morte, o próprio temor de morrer, a possibilidade de recorrência da doença, mutilações e dor.

Assim sendo, trazer os familiares para o acompanhamento e o desenrolar do tratamento é uma das estratégias que facilita na condução da atenção ao paciente, pois o familiar é orientado sobre os aspectos alimentares, higiênicos e isso aumenta a segurança e a confiança no cuidado em domicílio. Essa rede de cuidado é formada por pessoas que de fato acompanham o tratamento e pode ser ampliada com outros familiares e amigos. Quanto maior é a capacidade de comunicação e convívio entre essa rede, mais ela se torna eficiente e facilitadora do trabalho da equipe multiprofissional.

O importante, nesses momentos, é contar com a rede de apoio, seja ela familiar, de amigos próximos ou mesmo de colegas de trabalho que possam incentivar o paciente e estar presentes ao longo do tratamento. Esse importante amparo pode ser feito de várias maneiras: incentivando com palavras de conforto, levando o paciente para passear (dentro das possibilidades deste), proporcionando uma alimentação saudável e adequada, auxiliando no cuidado com os filhos e oportunizando ocasiões de descontração e alegria. Assim, ele se sentirá mais seguro e protegido para seguir seu tratamento e combater qualquer obstáculo que possa surgir.

**Nídia Fátima Ferreira psicóloga, mestre em Saúde Pública faz parte do corpo clínico da Oncomed-MT

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorA nova lei sobre entregadores que trabalham por meio de empresas de aplicativos
Próximo artigoPequenas empresas são responsáveis por 76% dos novos empregos