A única certeza em meio à dor da pandemia

A nossa querida Chapada dos Guimarães sofre, mas há uma certeza que nos conforta

A bela Praça Dom Wunibaldo vazia e cercada de frias grades mudou seu aspecto. Bancos que não sustentam mais os “causos” de fim de tarde de idosos e a troca de olhares de jovens enamorados…

A ausência do  alvoroço das crianças correndo entre as árvores centenárias entristece ainda mais o lugar. Parece até que os “gritos” das araras, entre outros pássaros, lá no alto,  é choro triste…

O cantinho da reunião dos experientes moradores grisalhos e sábios, debaixo da velha mangueira, perdeu a presença cativa daqueles  que manjam tudo sobre a política regional e nacional.  O “Senadinho” está mudo.

À noite, os barzinhos não abrigam mais as grandes e alegres rodas de conversa de amigos.

Os mais belos pontos turísticos naturais de Mato Grosso também mudaram  de “cara”. Famosos rios e lindas cachoeiras sem a agitação dos banhistas cuiabanos e de todas as partes do Brasil e do mundo.

A nossa querida Chapada dos Guimarães sofre. Como em todo mundo, estamos reféns de um inimigo sem rosto que já levou à morte cinco de nossos moradores e atinge “na pele” dezenas de outros que hoje estão em tratamento,  isolados em casa ou nos hospitais.

O impacto na economia local já afeta o bolso e a mesa de muitas famílias.

A insegurança e o medo são os sentimentos que melhor definem a Covid 19  para a maioria das pessoas em nosso município.

Além do medo maior, o de sermos contaminados ou, se contaminados, não vencermos a doença, existe a incerteza sobre o futuro,  o receio de trabalhadores de perderem o emprego. Empresários sem perspectivas, cheios de dívidas e com o temor de fechar as portas.

Mas sentir medo também é sinônimo de prudência. Ele nos leva a agir de forma preventiva – exatamente como estamos tentando fazer, quando a Covid-19 avança sobre toda a Terra.

Contudo, embora eu lamente profundamente cada vida perdida, quero aqui deixar uma mensagem de esperança, que alimentei observando os chapadenses.

Tenho observado acontecimentos aqui em Chapada que elevam a alma da gente. Familiares que estavam de relações cortadas há muito tempo, que agora, mesmo sem poder se aglomerar, manifestam preocupação e cuidado com os seus.

Pais, mães, filhos, irmãos  se unindo em oração. Amigos se ajudando financeiramente. Campanhas sendo realizadas para suprir as necessidades dos mais carentes. Manifestações de cuidado e carinho com os mais frágeis e doentes. Filhos e netos, que antes ausentes, começaram a se dedicar mais e mais aos pais  e avós idosos. E uma solidariedade inigualável da maioria da população para com os atingidos pela doença.

Isso tudo nos dá força pra lutar contra esse vírus. Façamos a nossa parte sim, com responsabilidade. Como cidadãos conscientes dos cuidados que só dependem de cada um de nós. E , principalmente,  como gestores públicos, dos quais faço parte,  que devem proteger e trabalhar arduamente pela saúde da população nesse momento de extrema vulnerabilidade.

Porém, quero compartilhar com vocês um sentimento que me fortalece nesses dias de dor e que é a minha única certeza para vencer o medo: mesmo em meio à angústia e ao sofrimento causados pela pandemia, sinto com muita intensidade a presença de Nosso Deus muito, muito próximo de nós, caminhando a nossa frente. Não devemos perder a esperança. Ele está conosco! Ele jamais nos abandona.

:::::::::::::::::::

* Michele Claison Weber é vereadora de Chapada dos Guimarães

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorHomem é preso em Cuiabá por estuprar a irmã mais nova de uma amiga
Próximo artigoAlto risco em transporte e hospitais

O LIVRE ADS