Você trabalha para quê?

O trabalho pode ser somente para nosso sustento. Um meio para um fim para uma boa vida com a nossa família. Sendo, então, somente um meio, eu posso esperar desse trabalho a minha satisfação?

O trabalho pode ser nossa fonte de satisfação. Há quem goste tanto do que faz e, sendo bom nisso, não liga muito para remuneração.

Fica a pergunta: você trabalha porque gosta ou pelo dinheiro? (Enquanto um meio)

Existe mais um elemento nessa equação: aqueles se sentem chamados a algo, que não fazem nem pelo prazer nem pelo dinheiro. Eles simplesmente precisam fazer.

Há atividades que não remuneram bem ou que não geram grandes prazeres ao exercê-las, mas, ainda assim, há pessoas fazendo – inclusive, elas não se enxergam fazendo outra coisa. E, talvez, se perguntássemos o porquê, ouviríamos um “Não sei bem…”, entre outras coisas.

Mas seria possível ouvir: “Porque tem que ser feito”.

A nossa vocação não é um trabalho, não é um “o quê”. Ela é quem nós precisamos nos tornar.

Pode parecer pesado o “precisamos”, mas pense comigo: um peixe que quer muito ser um escalador de árvores e se nega a ser um ótimo nadador está negando o seu chamado. Pode parecer um exemplo muito simples, mas, em se tratando do ser humano, não é nada simples.

Cada um de nós recebeu um chamado muito particular, a depender de sua história, de suas aptidões, de seus sonhos e medos, etc – porque o nosso chamado é único.

Como disse uma vez o Dr. Plínio: “A quem é dada a graça de ver, é dada a graça de fazer.”

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorProjeto de lei que altera o ICMS deve ficar travado na Assembleia Legislativa
Próximo artigoIndea fiscaliza propriedade com foco em ferrugem asiática em lavoura