Verba indenizatória para conselheiros do TCE é sancionada

Projeto do presidente do TCE, Guilherme Maluf, ganhou um "submarino" que beneficiou também integrantes do governo Mauro Mendes

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

O projeto de lei que criou uma verba indenizatória de R$ 35 mil para os conselheiros do Tribunal de Contas do Estado (TCE) passou por votação na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) na quarta e quinta-feiras e, nesta sexta (6), já estava sancionado pelo governador Mauro Mendes (DEM) e devidamente publicado no Diário Oficial do Estado.

Mas a proposta assinada pelo presidente do TCE, Guilherme Maluf, sofreu alterações. Uma emenda – que alguns parlamentares preferem chamar de “submarino” – de autoria de “lideranças partidárias” estendeu o benefício também para os secretários de Estado.

A partir de agora, além dos conselheiros e dos membros do Ministério Público de Contas, vão receber um salário dobrado também os secretários, secretários-adjuntos e presidentes de autarquias em Mato Grosso.

Em outras palavras, todos os integrantes dos chamados primeiro, segundo e terceiro escalão do governo do Estado.

LEIA TAMBÉM

Reação judicial

Oposição ao governo Mauro Mendes na ALMT, o deputado estadual Lúdio Cabral (PT) informou que vai recorrer à Justiça. Segundo ele, o projeto de lei foi aprovado “a toque de caixa” e com uma série de irregularidades em sua tramitação.

“Esse projeto tramitou de forma acelerada. Ao analisar a lei sancionada e o processo legislativo, encontramos diversos problemas”, sustenta o petista.

Entre os pontos questionados por Lúdio está, por exemplo, o fato de se tratar de um projeto de lei de autoria do TCE, mas que cria despesas para o Poder Executivo. Um “vício de iniciativa” no jargão jurídico e administrativo.

Lúdio Cabral questiona também o fato de não ter sido convocado para reunião da Comissão de Constituição e Justiça que deu parecer favorável ao projeto de lei (Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

“Submarino”

Como a “sugestão” para estender a verba indenizatória para os secretários e presidentes de autarquias foi feita por “lideranças partidárias”, não é possível saber ao certo de quem partiu a ideia.

Lúdio, no entanto, culpa o próprio governador Mauro Mendes, a quem atribuiu uma iniciativa “covarde”.

“Se o governador quer implantar uma verba indenizatória para os secretários, tem que ter coragem de apresentar o projeto, em vez de pegar carona no TCE, deixando todo o desgaste para os conselheiros e para os deputados da base governista. Foi um gesto covarde do governador. O TCE, pelo menos, teve coragem de assinar a proposta”, criticou.

O projeto de lei passou por três votações nesta semana. Lúdio Cabral votou contra em todas elas.

O que diz o governo?

Ao LIVRE, a Secretaria de Estado de Comunicação informou que “a verba indenizatória em favor dos servidores citados na lei tem o intuito de compensar os gastos no exercício do cargo, como a exemplo das viagens feitas dentro do Estado, que são rotineiras”.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

2 COMENTÁRIOS

  1. A justiça cortou uma mamata de 23.000, mas a assembleia legislativa , omissa e comprometida com a flata de moral , vota uma lei aumentando a verba retirada pela justiça no de 35.000. a falta de vergonha na cara desse povo é demais , criam leis pensando em beneficio proprios, uma vez que saira de la mais 2 conselheiros . Governador Mauro o sr. não esta reclamando de falta de recursos , inclusive pra pagar o RGA dos funcionarios publicos ? esse é o momento do sr provar que estado esta sem verbas, Povo matogrossense até quando seremos ludibriados por essa corja? Incluam na pauta do dia 15 março esse abuso .

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorTartarugas Ninjas viram Power Rangers em novo quadrinho
Próximo artigoGame The Last of Us vai virar série da HBO