TJMT: R$ 1,2 mil de auxílio

Contribuinte vai pagar mais por ajuda financeira para servidores ativos e inativos

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

O presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, desembargador Carlos Alberto Alves da Rocha, aprovou um aumento do auxílio-saúde – que era de R$ 1 mil – para R$ 1,2 mil mensais aos servidores ativos e inativos do Judiciário. 

Retroativo a janeiro de 2020

São beneficiários do auxílio-saúde os servidores ativos e inativos, exceto os juízes de paz, militares cedidos e beneficiários da pensão por morte e pensão alimentícia e servidor que encontrar-se em afastamento não-remunerado. 

Há autorização para que auxílio-saúde passe a ser concedido a partir de janeiro de 2020, e que deverá ter caráter retroativo.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

4 COMENTÁRIOS

  1. Palhaçada isso. Tinha que fechar esse judiciário. Em que esse orgão contribui com a sociedade senão sentar em cima dos processos. É o órgão com os maiores salários, trabalham só 6 horas e recebe tudo quantobé ajuda. E eficiência zero.

  2. Prezado “O livre”

    Antes de publicar uma matéria, faça o bom jornalismo: verifique todos os fatos.
    São mais 200 reais e não 1.200.
    Nossos salários estão achatados há anos.
    Esse valor sequer cobre a inflação.
    Deixe de insulflar os cidadão contra outros cidadãos.

  3. É um absurdo alguém dizer que não precisa do judiciário. É ainda lá que se faz justiça, que se tem esperança de igualdade, onde ainda podemos esperar ter nossos direitos em leis garantidos. Pergunte para a mãe que não recebe pensão alimentícia porque o pai da criança vira as costas, o que ela acha do judiciário, ou para mulher que sofre agressão o que é o judiciário para ela. Pergunte ainda sobre as inúmeras horas e horas que os juízes se debruçam sobre os processos, porque ao contrário dà maior parte da população, o judiciário leva serviço para casa. Pare de confundirem judiciário com aqueles cargos comissionados só de nome. Outro detalhe, 6 horas é no papel, na realidade o judiciário como disse trabalha muito mais que 6 horas, é só dar uma olhada no banco de horas imenso do judiciário. O qual não se recebe em pecunia e sim em folga. Como todo funcionário que trabalha, e muito, esses pequenos aumentos são um refresco .

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCriança sofre abuso ao passear de bicicleta com amigo da família em Cuiabá
Próximo artigoMortes por covid-19 chegam ao menor nível desde maio, diz Fiocruz