Sema vê “exagero” em olhares sobre queimadas em Mato Grosso

Para o governo, queimadas em MT não deveriam causar tanto espanto

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Há cerca de um mês os olhares internacionais se voltaram para Mato Grosso em razão do aumento expressivo no número de queimadas. As chamas, que consomem áreas da Amazônia Legal, resultaram em brigas diplomáticas.

No entanto, para a secretária de Meio Ambiente, Mauren Lazzaretti, essa reação e os olhares internacionais são “um exagero”.

“Em Mato Grosso eu acho que é exagero. Nós temos um alerta sim. Nós precisamos ter combate, mas tivemos anos muito piores sem manifestações nem próximas do que estamos tendo agora”, garantiu, na tarde da sexta-feira (30).

A secretária ponderou que as queimadas em toda região Amazônica preocupam. Contudo, informou que os maiores focos de incêndio são fora de Mato Grosso. Por isso, minimizou as preocupações externas.

Lazzaretti destacou que o estado é o que melhor apresenta resposta de combate a incêndios e crimes ambientais.

“O estado de Mato Grosso tem a melhor resposta a todos os eventos, tanto que os nossos números mostram isso. Inclusive, Mato Grosso acabou sendo um dos últimos a receber o reforço federal exatamente porque o ministro [Ricardo Salles, do Meio Ambiente] veio e percebeu que estávamos dando respostas a estes incidentes”, disse à imprensa.

Na última semana, o estado foi destaque no jornal alemão Bild. Uma dupla de repórteres esteve em Mato Grosso sobrevoando diversas regiões. Eles também conversaram com o governador Mauro Mendes (DEM) sobre os impactos econômicos das queimadas.

Mauro também tem minimizado as preocupações com as queimadas no estado. Quando concedeu coletiva ao lado do ministro do Meio Ambiente, o governador lembrou que “as queimadas sempre existiram”. Na ocasião, ele também afirmou que a maior parte dos incêndios é registrada no perímetro urbano.

Para tentar melhorar os índices de queimadas, Mauro declarou tolerância zero aos crimes ambientais. O governador garantiu punição aos responsáveis pelos incêndios e, na sexta-feira, estendeu o período proibitivo de queimadas.

Leia também