“Selma sabia que denúncia foi forjada para inserir números em grampos”, diz cabo Gerson

    (Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

    O cabo da Polícia Militar (PM) Gerson Correa, réu na ação de interceptações telefônicas clandestinas, conhecida como “Grampolândia Pantaneira”, disse nesta segunda-feira (27), na 11ª Vara Militar de Cuiabá, que a juíza Selma Arruda, que concorre ao Senado, sabia que uma denúncia de organização criminosa havia sido forjada para que nomes fossem inseridos em escutas.

    O militar destacou que, em 2015, a magistrada foi ao Grupo de Atuação Especial ao Crime Organizado (Gaeco) para delatar ameaça a sua integridade física e foi recebida pelo então chefe do grupo, promotor de Justiça Marco Aurélio de Castro. “Marco Aurélio me chamou na sala e narrou que ela estava sofrendo ameaça. Fui ao gabinete dela para saber o que seria essa ameaça”, disse Gerson, em depoimento nesta segunda-feira (27).

    O PM ainda disse que Selma informou a ele que sua assessora tinha falado para ela que havia ficado sabendo por terceiros que a tinham ameaçado, dizendo que sabiam onde sua neta estudava e como era o dia-a-dia da magistrada.

    “Eu sabia que, logo em seguida que o relatório foi produzido, ela [Selma] ia se declarar impedida e foi o que aconteceu. O processo foi distribuído para Vandinalma [Santos], da 14ª Vara Criminal”, afirmou o cabo.

    O policial ressalta que, com essa história, recebeu ordens de incluir alguns números de telefone, como os do ex-governador Silval Barbosa, do irmão do ex-governador Antônio Barbosa e do empresário Filadelfo dos Reis.

    Segundo ele, a juíza Selma e o promotor de Justiça sabiam desse caso de “barriga de aluguel”. “Criamos um cenário e os inserimos no bojo da informação; 33 laudas produzidas por mim e ele mandou instaurar como denúncia anônima. Não existia a história de organização criminosa. Especialmente essa de que Filadelfo seria o novo Arcanjo de Mato Grosso”.

    Este caso não estaria ligado ao escândalo conhecido como “Grampolândia Pantaneira” e os outros quatro militares em julgamento na Vara Militar não teriam participação, sendo eles os coronéis da PM Zaqueu Barbosa, Evandro Alexandre Ferraz Lesco e Ronelson Jorge de Barros e o tenente-coronel Januário Antônio Edwiges Batista.

    O caso

    O esquema de grampos ilegais foi denunciado pelo promotor de Justiça Mauro Zaque à Procuradoria Geral da República (PGR), à quem afirmou que o governo do Estado tinha conhecimento sobre as escutas ilegais instaladas em Mato Grosso.

    Inicialmente, o pedido de interceptação telefônica foi autorizado pela Justiça Estadual, mas teve a finalidade alterada depois que número de pessoas sem envolvimento em crimes terem sido incluídos – uma manobra chamada de barriga de aluguel.

    Depois de ter alertado o governador Pedro Taques, Zaque procurou a PRG, em janeiro de 2017. O escândalo veio à tona após uma reportagem veiculada pelo Fantástico, em maio de 2017, na qual o promotor reafirma as denúncias.

    LEIA MAIS:

    Juíza Selma classifica como “absurda e mentirosa” afirmação do cabo Gerson sobre barriga de aluguel

    Use este espaço apenas para a comunicação de erros





    Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

    DEIXE SEU COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Artigo anteriorMais de 400 kg da maconha são apreendidos em ação integrada da Polícia Civil de MT e AC
    Próximo artigoUnic realiza VI Fórum de Alimentação e Nutrição