Preços abusivos

Farmácias e drogarias em Cuiabá voltaram a ser alvos fiscalização da Polícia Civil e do Procon

(Foto: Divulgação/Assessoria de Imprensa/Polícia Civil)

Farmácias e drogarias em Cuiabá voltaram a ser alvos fiscalização da Polícia Civil e do Procon por causa de preços abusivos de produtos procurados durante a pandemia. 

Além do álcool em gel – cujo frasco de menos de um litro chegou a custar R$ 78 no início da pandemia – e máscara de proteção, há indicações de que os empresários desses segmentos estão abusando nos preços de ivermectina e azitromicina, remédios que fazem parte do chamado “kit covid”. 

Nessa quarta-feira (1º), houve fiscalização em drogaria de preço popular na avenida Coronel Escolástico, em Cuiabá. Desde de maio, mais 15 estabelecimentos foram autuados pela Delegacia do Consumidor. 

Conforme o Procon, uma denúncia de consumidor demonstrar a situação. Ele disse que comprou, no dia 16 de junho, 60 cápsulas de ivermectina por R$ 59 em uma farmácia de manipulação.  

Na semana seguinte, o valor para a mesma quantidade e produto estava em R$ 570. 

Conforme a Polícia Civil, estão apurados os preços de produtos que compõem a “cesta básica de medicamento” na pandemia. Ela contém antibióticos, termômetros, máscara, álcool em geral e vitaminas. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPresidente da Unimed internado
Próximo artigoSetor de florestas plantadas defende discussão para a política florestal em MT

O LIVRE ADS