Populista ou popular? Entenda a troca de “farpas” entre prefeito e governador

Uma briga movida pela dualidade entre razão e emoção

(Foto: Luiz Alves/Sicom Cuiabá)

Depois que o governo de Mato Grosso assumiu a substituição do VLT – Veículo Leve sobre Trilhos – pelo BRT – Bus Rapid Transit -, as diferenças entre as gestões do prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), e do governador Mauro Mendes (DEM) acabaram exaltadas. Enquanto um deixa claro que a emoção é um dos fatores de suas decisões, o outro atribui tudo à razão. E, neste jogo, os dois acabam assumindo os custos políticos dessas escolhas.

Entre o risco de ser desacreditado ou tido como pouco sensível às angústias dos eleitores, os dois trocam farpas constantemente na imprensa. Uma oposição de princípios necessária, segundo o historiador Suelme Evangelista, e que evidencia o que foi ofertados por ambos quando candidatos aos cargos que hoje ocupam.

Evangelista lembra que, desde as eleições, nenhum deles foi “sorrateiro” diante da questão. Pinheiro exaltou o sentimento cuiabano nas duas campanhas à prefeitura das quais participou e acabou reeleito.

Já Mendes, apresentou como diferencial as expertises gerenciais adquiridas no mundo dos negócios e na sua gestão como prefeito, que nem de longe manteve uma relação afetiva com a população e, mesmo assim, o fez chegar ao governo do Estado.

Governador Mauro Mendes (Foto: Michel Alvim – SECOM/MT)

LEIA TAMBÉM

Entre o populista e o popular

Mauro Mendes enterrou o projeto do VLT em 21 de dezembro de 2020, poucos dias antes do Natal. Anunciou que o modal seria substituído pelo BRT, por conta de um estudo que mostrava a inviabilidade econômica da obra.

Para o prefeito reeleito, a decisão foi unilateral e jogou um “balde de água fria” na população, que aguarda há quase 9 anos para usar os vagões e vê diariamente os esqueletos da construção pela cidade.

Pinheiro judicializou o caso e o secretário-chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho, saiu em defesa do governador, titulando como “populista” a ação do prefeito.

Emanuel rebateu afirmando que não é populista e, sim, popular, tocando mais uma vez na “ferida” de Mendes: a falta de afetividade com a população.

Prefeito Emanuel Pinheiro (Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Mas, espera um pouco. Vocês sabe a diferença entre populismo e popular?

Suelme Evangelista esclarece que as palavra são parecidas, mas os significados muito diferentes. Ser popular tem relação com o carisma do político e da imagem que ele mantém de proximidade com o povo.

Já o populismo é algo mais denso, porque se trata de um estratégia de governo, na qual se usa da demagogia para conduzir e liderar a massa diante das decisões tomadas.

“É a manipulação de massas por meio de uma suposta ameaça oculta, que põe em xeque seus propósitos de ajudar aqueles mais necessitados. É comum um plano de comunicação e de gestos que sinalizam essa ‘popularidade’ constantemente para se garantir no poder”, explica.

O historiador lista exemplos clássicos deste modelo político no Brasil. Entre eles está Getúlio Vargas, João Goulart, Fernando Collor, Luiz Inácio Lula da Silva e Jair Bolsonaro.

Abrindo o leque para o exterior, o modelo foi visto durante o governo de Evo Morales, na Bolívia, Viktor Orbán, na Polônia, e Nicolás Maduro, na Venezuela.

“O populismo usa medidas demagógicas e impossíveis para resolver problemas complexos e está mais preocupado com a opinião pública e ‘jogar pra plateia’ do que com a racionalidade da administração”, finaliza Evangelista.

Diante desta explicação, dá para entender porquê Emanuel Pinheiro ficou tão irritado com o título e logo se posicionou, pegando no “calcanhar de Aquiles” de Mauro Mendes.

Mauro Mendes recebe festeiros do Divino para um Chá com Bolo. Foto: (Gcom/divulgação)
Emanuel Pinheiro sendo carregado por apoiadores durante a campanha para reeleição.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAprendi muito ensinando
Próximo artigoChina suspende compra de carne suína de frigorífico brasileiro