“É o início de uma guerra”, diz prefeito sobre decisão acerca do VLT

Ao STJ, a prefeitura havia solicitado que todas as decisões sobre a mudança do VLT para BRT sejam suspensas

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou, no sábado (2), o pedido da Prefeitura de Cuiabá que tenta impedir a provável mudança do VLT para o BRT. Ao se manifestar sobre a decisão, o prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) declarou esse é “apenas o início de uma grande guerra jurídica”.

Travada pela prefeitura, a citada guerra, segundo Pinheiro, “é em defesa de Cuiabá e da população cuiabana” e contra o governo de Mato Grosso, que propôs a mudança no modal de transporte.

A ideia é que a implantação do Veículo Leve sob Trilhos (VLT), prevista para ser concluída em 2014, durante a Copa do Mundo no Brasil, seja substituída pelo Bus Rapid Transit (BRT).

A obra do VLT foi paralisada em 2014 e já consumiu mais de R$ 1 bilhão. A mudança no projeto deve gerar uma economia de 43% aos cofres públicos, segundo aponta um estudo encomendado pelo governo do Estado.

LEIA TAMBÉM

“Decisão burocrática”

Segundo Pinheiro, a decisão do STJ tem apenas caráter burocrático e é passível de recurso – o que a prefeitura deve fazer em breve.

“Esclareço que a decisão indeferiu uma liminar pedida pela prefeitura, não tendo nenhuma relação com o mérito da troca do VLT para BRT. Ainda não entramos nessa discussão”, afirmou, anunciando a batalha que o governo e a prefeitura devem travar.

Ao STJ, a equipe jurídica da prefeitura havia solicitado que o Ministério do Desenvolvimento Regional suspendesse qualquer ato decisório sobre o modal em Cuiabá. A alegação era de que a esfera municipal não havia sido consultada sobre a possível mudança.

Ainda no pedido, o município havia requerido que os estudos técnicos e laudos que embasaram a proposta do Estado fossem compartilhados com a prefeitura.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSTJ nega pedido de Cuiabá para impedir troca do VLT por BRT
Próximo artigo“Ação judicial atrapalha e é contra a população”, diz secretário