PF deflagra operação contra novas supostas fraudes na Saúde de Cuiabá

Investigados teriam usado o regime de urgência aberto para serviços públicos na pandemia para avançar esquema de subcontratação

(Foto: PFMT)

A Polícia Federal deflagrou nesta sexta-feira (30) a Operação Curare, para desarticular uma organização criminosa investigada por fraudes a contratações emergenciais e recebimento de recursos públicos a título supostamente indenizatório, sem licitação. 

A atuação do grupo se concentra na prestação de serviços especializados em Cuiabá, especialmente em relação ao gerenciamento de leitos de unidade de terapia intensiva exclusivos para o tratamento de pacientes da covid-19.  

Conforme a PF, empresas investigadas fornecem orçamentos de suporte em simulacros de procedimentos de compra emergencial como se fossem concorrentes.  

Contudo, a investigação demonstrou a existência de subcontratações entre as pessoas jurídicas, que, em alguns casos, não passam de sociedades empresariais de fachada. Entre 2019 e 2021, as empresas teriam recebido R$ 100 milhões do município. 

As contratações emergenciais e os pagamentos “indenizatórios” abarcam serviços variados como a realização de plantões médicos, disponibilização de profissionais de saúde, sobreaviso de especialidades médicas, comodato de equipamentos de diagnóstico por imagem, transporte de pacientes, etc.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPolícia Civil cria site para denúncias anônimas de corrupção e lavagem de dinheiro
Próximo artigoCMN regulamenta programa de crédito a micro e pequenas empresas