Oficinas, exposição e show marcam semana indígena na Casa do Artesão

Atividades começam de 1º a 5 de outubro, no Bairro Porto

(Divulgação Casa do Artesão)

O Sesc Casa do Artesão se prepara para uma semana com atividades inteiramente dedicadas a reverenciar a cultura indígena. Serão cinco dias com oficinas de pintura corporal, de grafismo e de possibilidades de diálogo, além de apresentação de cantoria, músicas e abertura da exposição Artefatos.

Nesta segunda-feira, 1º de outubro, das 15h às 17h, será realizada a oficina Pintura Corporal Kurâ-Bakairi, ministrada por Adriana Kavopi. Ela explica que a oficina irá demonstrar a cosmovisão de seu povo a partir das pinturas corporais. “Cada pintura tem o seu próprio significado, além de serem diferentes para homens, mulheres e crianças”, explica.

Já na Oficina de Pintura de Grafismo Waurá em Cerâmicas, Tamuwa Waurá irá mostrar em quatro turmas as técnicas de pinturas do grafismo deste povo do Alto Xingu. Várias peças produzidas por esta etnia estão à venda na Casa do Artesão. As turmas das oficinas acontecem nos dias 02 ou 03 de outubro, das 08h às 11h ou das 14h às 17h.

Fechando as oficinas, a pesquisadora Naine Terena irá ministrar a oficina Possibilidades e Diálogos com o Tempo e o Corpo Indígena na escola, nos dias 04 e 05 de outubro, das 14h às 17h. A proposta, de acordo com a própria Naine, é “expandir o campo de compreensão e convivência entre as pessoas”. “O espaço escolar é um dos locais onde as crianças são inseridas no convívio social e por isso é importante que os professores tenham o entendimento da diversidade”.

Quem quiser participar das oficinas pode se inscrever pelo telefone 3611-0507 ou pelo e-mail [email protected]. No dia da atividade escolhida basta levar um 01 litro de leite UHT.

Sexta com apresentações 

Celebrando o encerramento da Semana Indígena, na sexta-feira (05), às 17h30, acontece a abertura da Exposição Artefatos, com peitorais, grinaldas, cintas, colares, brincos, tangas, pentes e redes produzidas pelos povos Anunsu (Nambikwara), Boe (Bororo), Ikpeng, Iny (Karajá), Ka’apor, Mehin (Krahô), Menkragnotire (Kayapó), Tenetehara (Tembé) e Waiwai, que habitam os estados de Mato Grosso, Maranhão, Pará e Tocantins.

Em seguida haverá a apresentação Cantoria dos Povos com cantos bakairi, chiquitanos, umutina e terena e, às 18h30, oito mulheres suyá farão uma apresentação de dança. Na cultura dos suyá, o cantar e o dançar é a expressão máxima da sua individualidade e do seu modo de ser.

Em novo em endereço, na Av. Tenente Cel. Duarte, 2140, o Sesc Casa do Artesão promove a valorização das culturas indígenas e tradicionais.

Programação completa:

Oficina Pintura Corporal Kurâ-Bakairi

Os Bakairi são autodenominados Kurâ. O etnônimo Bakairi é, para eles, de origem desconhecida. Kurâ significa “nós”. Toda organização social gira em torno de um ritual que é promovido de acordo com a decisão coletiva, a mais frequente é a Dança da Kapa, Âryko e o Ritual da furação de orelha do menino que é realizado a cada ano. Dentre esses rituais, os adereços utilizados são cocares, brincos e pintura corporal, ambas são diferentes a do masculino e feminino, e são associados aos ritos sagrados comunitários. A pintura corporal também representa uma forma de mimetismo, recurso para se defender dos iamyra que se fazem presente nos rituais.

A oficina será realizada pela representante da etnia Adriana Uleiro Kavopi, objetivando promover a difusão em relação à Cosmologia da Pintura Corporal Kurâ-Bakairi.

01/10 | 15h às 17h | 01 litro de leite UHT | Vagas Limitadas | Informações e inscrições: 3611-0507 ou [email protected]

Oficina: Pintura de Grafismos Waurá em Cerâmicas

Os Waurá se destacam pela singularidade de sua cerâmica, arte plumária e mascaras ritualísticas. A cerâmica é a especialização dos Waurá, sendo uma das mais elaboradas classes de artefatos do sistema de objetos do Alto Xingu. A etnia acredita no mito da grande cobra-canoa chamada Kamalu Hai que lhes conferiu o conhecimento exclusivo sobre a arte oleira. A oficina será realizada pelo representante da etnia Tamuwa Waurá, objetivando através da prática a compreensão das técnicas de pinturas dos grafismos Waurá.

02 e 03/10 | 08h às 11h ou 14h às 17h | 01 litro de leite UHT | Vagas Limitadas | Informações e inscrições: 3611-0507 ou [email protected]

Oficina: Possibilidades e Diálogos com o Tempo e o Corpo Indígena na Escola

Esta é uma oficina cênica resultante da pesquisa no universo indígena, a partir de cantos, danças, pinturas e ornamentos, a fim de verificar a organicidade do corpo cotidiano indígena e promover a possibilidade de experimentar através de exercícios físicos/problematizações, elementos da cultura indígena brasileira. Para isso, os participantes são convidados a ouvir a voz condutora da oficineira e experimentar o momento que lhes é oferecido. A oficina será ministrada por representante da etnia Terena, a pesquisadora Naine Terena.

04 e 05/10 | 14h às 17h | 01 litro de leite UHT | Vagas Limitadas | Informações e inscrições: 3611-0507 ou [email protected]

Exposição Artefatos

O Brasil possui mais de 250 etnias indígenas e a exposição “Artefatos” traz ao público peças utilizadas como adorno de algumas das etnias dos estados de Mato Grosso, Pará, Tocantins e Maranhão. Possuindo diferentes significados e momentos apropriados para o seu uso, entre as peças encontram-se matéria-prima de origem animal e vegetal, cada artefato remete à cultura e história de seu povo.

Coquetel de abertura: 05/10 às 17h30 | Exposição: 05/10 a 24/11 | Seg. a Sex. das 08h30 às 17h15 e Sáb. das 07h45 às 12h45 | Informações e agendamento escolar: 3611-0506 ou [email protected]

Show Musical: Cantoria dos Povos

Para o encerramento da Semana Indígena, serão convidados povos de quatro etnias indígenas para entoar cantos, sendo eles Adriana Kapovi da etnia Bakairi, Silvano Chue dos Chiquitanos, Isaac Amajunepá dos Umutinas e Gilmar Kiripuku dos Terenas.

05/10 | 17h30 | Livre | Entrada Gratuita

Dança: Apresentação da etnia xinguana Suyá

O grupo composto por oito mulheres pertencentes à etnia xinguana Suya, farão uma apresentação de dança típica da sua cultura. Na cultura dos Suya o cantar e o dançar é a expressão máxima da sua individualidade e do seu modo de ser, para eles fazer música é dançar, fazer política e comunicar algo sobre si mesmo.

05/10 | 18h30 | Livre | Entrada Gratuita

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorFloricultura em Cuiabá: veja opções e preços para presentear com flores
Próximo artigo“Maníaco da garrafada”: homem dopava idosos na porta de hospitais para roubá-los