Novembro, mês da “luz do sol”

*Antonio Joaquim

Neste mês de novembro estamos comemorando uma data muito importante para a democracia. Mais precisamente no dia 18 de novembro de 2021 foi promulgada a Lei de Acesso à Informação, mais conhecida como LAI. Erigida sobre os alicerces do princípio constitucional da publicidade, essa lei é um dos pilares do Estado Democrático, pois o acesso à informação pública é condição essencial para o enfrentamento de práticas ilícitas que dependem da escuridão para prosperar. A legislação criou regras claras para a divulgação de informações e dados públicos.

A Lei 12.527/2011 é o resultado de um esforço de anos para trazer mais transparência aos órgãos governamentais e disponibilizar ao cidadão as informações de caráter público, instituindo obrigações, prazos e procedimentos para a divulgação de dados, prevista pela Constituição Federal de 1988 no art. 5º, inc. XXXIII; art. 37, §3º, inc. II; e art. 216, §2º. Foi exatamente com essa “luz do sol”, representada pela transparência e amparada na LAI, que se conseguiu grandes êxitos na luta contra a corrupção.

Ao completar 10 anos da Lei de Acesso à Informação, porém, não podemos considerar a batalha vencida nem a cultura da transparência consolidada. O noticiário nos últimos anos, volta e meia, aborda uma ou outra tentativa de impor sigilos e restringir o acesso a informações e dados que, por natureza, são públicos. Da mesma forma, não faltam notícias sobre dificuldades de acesso ou descumprimento e suspensão de prazos para respostas a requerimentos de informações. Pior: casos de não adequação de órgãos públicos à LAI, o que é uma obrigação.

Vou citar dois exemplos, que considero inadmissíveis, considerando uma década da promulgação da LAI – período no qual deveríamos estar comemorando a consolidação da norma. Um exemplo nacional e outro estadual.

Primeiro, um relatório publicado no site da ONG Transparência Brasil. Elaborado com base em relatórios da Controladoria-Geral da União e denominado “10 anos de LAI: Atendimento em risco”, o documento demonstra que houve uma piora significativa no atendimento a pedidos de informação nos órgãos federais.

A queda de respostas cresceu nos últimos anos, igualando ao segundo maior índice de negativas a pedidos de informação desde maio de 2012, quando efetivamente a LAI entrou em vigor. O pior período continua sendo os anos 2013 e 2014, segundo a ONG. A proporção de respostas parciais, por sua vez, se igualou em 2021 ao maior índice histórico, registrado em 2016.

Quem quiser mais informações sobre esse rico documento, acesse o link https://www.transparencia.org.br/downloads/publicacoes/atendimento_lai_governo_federal_10_anos.pdf.

O exemplo estadual é um relatório que a nossa Ouvidoria-Geral finalizou e será encaminhado para a Presidência do TCE-MT, requerendo providências no âmbito da fiscalização pelas unidades técnicas responsáveis para o próximo ano. O levantamento levou em consideração pesquisa nas páginas na internet de todas as Prefeituras e Câmaras Municipais.

O documento revelará que, das 141 Prefeituras, em duas delas sequer existe disponível no site o obrigatório Portal Transparência. Das páginas que o disponibilizam, em seis delas o portal não funciona. No caso das Câmaras Municipais, em oito o Portal Transparência não existe e, em outras 26, não funciona. Já no caso do também obrigatório Serviço de Informação ao Cidadão, o SIC, o quadro também é grave. Em 13 páginas de Prefeituras, ele não existe; e, em outras 18, o SIC é encontrado, porém não funciona. Em 26 Câmaras, nada de SIC e, em 19, só como ilustração.

Finalizo esta reflexão com a ponderação de que precisamos instituir novembro como o mês da Campanha de Reafirmação da Transparência Pública. E farei a minha parte: vou submeter a ideia como sugestão ao presidente eleito da Associação dos Membros dos Tribunais de Contas do Brasil – Atricon, conselheiro Cezar Miola (TCE-MT).

Essa campanha precisa ser recorrente, pois transparência fortalece a democracia e serve de prevenção contra a corrupção e práticas ruins na administração pública.

*Antonio Joaquim é conselheiro e ouvidor-geral do Tribunal de Contas de Mato Grosso.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorLaudo médico afirma que Marília Mendonça morreu de politraumatismo
Próximo artigoBlack Friday: Pantanal Shopping oferece descontos de até 90% via aplicativo