Mulher descobre câncer durante a gravidez e bebê nasce em consulta oncológica

Daiane Gonçalves é um caso raro de câncer de mama, mas ela e filha passam bem

(Foto: Reprodução)

Aparentemente o dia cinco de maio seria só um qualquer próximo ao Dia das Mães para a servidora pública Daiane Gonçalves, mas nem tudo é o que parece. Tratando de um câncer de mama que ela descobriu durante a gestação, estava no médico para realizar uma consulta, quando sentiu um padrão diferente no seu corpo; estava entrando em trabalho de parto.

Daiane é mãe de outras duas crianças então, quando os sinais fisiológicos vieram, ela sabia o que estava para acontecer. Mais uma etapa de um processo que envolve maternidade, descoberta e tratamento oncológico seria iniciado. Ela recebeu amparo das enfermeiras da clínica Oncolog, onde realiza tratamento, e foi encaminhada para a maternidade.

Lá ela deu à luz de parto normal a pequena Ayla Maya. A neném nasceu prematura com 34 semanas, mas com a saúde intacta. Apesar de receber acompanhamento médico desde o início, a preocupação de Daiane era de que, por conta do tratamento contra o câncer, a neném pudesse ter a saúde abalada. Após o nascimento esse temor foi dissipado.

Daiane faz parte de uma estatística rara que define que uma a cada três mil mulheres desenvolvem câncer de mama durante o período gestacional. Ela começou a notar que algo estava diferente em seu corpo quando já estava com 28 semanas de gravidez. Sentiu um caroço na mama e procurou auxílio médico.

“Fiquei em choque no início. Mas estava muito confiante de que tudo ficaria bem. Tive que me agarrar e ser forte por ela, para que a minha filha sentisse que estava tudo tranquilo e que tudo iria ocorrer conforme a vontade de Deus. Comecei o tratamento e todos da Oncolog foram tão atenciosos que eu senti esse conforto de que tudo daria certo”, disse.

Raridade

O médico oncologista que tratou Daiane, Dr. André Crepaldi, explica que casos como o dela são muito raros e pela situação delicada de ocorrerem em uma gestação, precisam ser investigados de forma célere. Além disso, ele pontua que o tumor dela é de um tipo mais agressivo, o que necessitava de uma intervenção rápida.

“Era um tumor relativamente grande e mais agressivo. O procedimento para esses casos é quimioterapia e depois cirurgia. Ela iniciou o tratamento e tudo sempre com o acompanhamento do mastologista da nossa equipe, Marcelo Mendes e obstetra, para preservar o neném. As quimioterapias quando realizadas depois do 3º mês de gestação, têm menor risco”, pontua o médico.

Até o momento, Daiane já fez seis sessões de quimioterapia, das doze que deverá realizar. Após a conclusão, irá passar por intervenção cirúrgica para a retirada do nódulo. O tratamento está em pequena pausa, por enquanto, por conta do parto recente. Mas após dez dias, será retomado, já que, nestes casos, quanto mais rápido, melhores resultados.

Trata-se de algo que pouco ouve-se falar, mas o câncer de mama pode ser desenvolvido durante a gravidez. O Dr. André Crepaldi, oncologista da clínica Oncolog, em Cuiabá, explica que, a mulher, ao notar um nódulo de padrão diferente no corpo, deve procurar um médico para constatar a possibilidade de ser um tumor.

Ele avalia que o tumor durante a gestação é mais difícil de ser detectado, por conta de alterações hormonais que o corpo sofre, por isso, a necessidade de análise com afinco. “É algo muito incomum, mas uma em cada três mil mulheres pode desenvolver. Por isso, a necessidade de acompanhamento imediato”, finaliza.

O Instituto Nacional de Câncer (Inca) aponta que a cada ano do triênio 2020-2022, devam surgir mais de 66 mil novos casos de câncer de mama feminino no Brasil. A orientação médica é de que, ao notar qualquer padrão diferente em seu corpo, a mulher procura ajuda de um especialista para que, se constatado, seja tratado em fase inicial.

(Da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorBolsonaro confirma presença em manifestação no dia 15 de maio em Brasília
Próximo artigoEm MT, 89% do desmatamento na Amazônia e Cerrado em 2020 foi ilegal, diz ICV