Investir, poupar, pagar dívidas? Consultora dá dicas sobre o que fazer com o 13º

A "tradição" brasileira é pagar boletos, mas há opções que fazem o dinheiro se multiplicar ao invés de sumir

Foto: Marcello Casal jr/Agência Brasil

Para muitos brasileiros, o 13º salário é um alívio no orçamento doméstico. Em dezembro, só o governo de Mato Grosso deve injetar R$ 511 milhões na economia com a segunda parcela do benefício para servidores ativos e inativos. O dinheiro vem sempre em boa hora, mas o que fazer com ele para não ter a sensação de desperdício?

A “tradição” é pagar as contas atrasadas. No ano passado, a parcela da população que utilizou o 13º com essa finalidade chegou a 90%. O índice foi calculado pela Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac).

E com a proximidade das festas de fim de ano, outra tendência é que o dinheiro seja usado nas compras, como os presentes de Natal.

“Muitas pessoas até já fizeram compromisso com o 13º mesmo antes mesmo de receber”, destaca a consultora e coach financeira Camila Rossi. Mas o ideal, segundo ela, é guardar pelo menos 30% da gratificação para investimentos ou como reserva de emergência.

Para conseguir usar o 13º da melhor maneira possível, as principais dicas são:

  • Planeje as compras: faça uma lista das pessoas que serão presenteadas e do valor a ser investido em cada presente. Isso ajuda a não gastar além da conta.
  • Dívidas: se alguma dívida está tirando o seu sono, use o 13º para quitá-la. “É bom para começar 2021 mais leve”.
  • Futuro: faça um orçamento pessoal das contas de janeiro. Logo no início do ano, uma dose de contas extras (IPTU, IPVA) já são esperadas; programe-se.
  • Investir: 30% da gratificação podem ser guardados para futuros investimentos.

Onde investir?

“Falta de investimento é falta de conhecimento”. Esse é o principal impedimento para que se ganhe dinheiro com esse modelo de negócios, adverte Camila. E quem acha que só com muito dinheiro é possível adentrar no mercado se engana.

“É possível encontrar cotas de R$ 60. Pode começar investir com pouco e ir multiplicando com o resultado do negócio”, ela orienta.

Uma das dicas é investir em fundos imobiliários. Em 2020, essa forma de investimento cresceu e atingiu a marca histórica de 1 milhão de investidores, em agosto. O aumento registrado foi de 60% desde o começo do ano.

O fundo imobiliário é formado por grupos de investidores que aplicam recursos em diversos tipos de investimentos imobiliários, seja no desenvolvimento do empreendimento ou em imóveis já prontos, como edifícios comerciais, shopping centers e hospitais.

Camila Rossi (Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

É vantajoso porque o investidor recebe uma participação desses alugueis sem ter o imóvel físico e as despesas, como o IPTU, por exemplo. O conselho é não investir tudo em um único empreendimento. A dica é diversificar”.

A facilidade na compra e venda dos fundos também é uma vantagem desse tipo investimento.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEscolas poderão implantar sistema bilíngue a partir de 2021 em MT
Próximo artigoIdoso de 80 anos morre ao cair do 4° andar de prédio em Cuiabá