Circuito Universitário reúne mais de 1,2 mil pessoas na primeira semana

Evento passou por cinco cidades de MT e continua na última semana do mês na Região Norte e Médio Norte

A primeira semana do Circuito Universitário realizado pela Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT), reuniu cerca de 1.260 participantes que assistiram a palestra do professor doutor Ricardo Felício, sobre os mitos e verdades do Aquecimento Global. Entre os dias 14 e 17 de outubro evento passou por Diamantino, Nova Xavantina, Cuiabá, Várzea Grande e Campo Novo do Parecis e segue para Região Norte e Médio Norte nos dias 28 a 31 do mesmo mês.

Leia também:
“Aquecimento global é farsa para mascarar interesses geopolíticos”, diz o climatologista Ricardo Felício

Direcionado para estudantes universitários, o Circuito Aprosoja Universitário está na sua sexta edição. Principal objetivo é proporcionar aos alunos conhecimentos extracurriculares e contribuir com a formação dos futuros profissionais.

Com dados científicos, a palestra do professor doutor Ricardo Felício oferecida aos acadêmicos esse ano traz um viés completamente diferente sobre o aquecimento global. A tese do cientista desmistifica diversos pontos sobre o tema, dentre eles de que a ação humana seja responsável pelas mudanças climáticas. Professor doutor afirma que o clima varia por ações naturais organizadas em ciclos.

“O clima varia, tanto para cima quanto para baixo, mas exatamente o que nós estamos contestando é se o homem tem essa interferência. Então a mudança climática de fato é o ser humano com suas atividades, com a sua existência, com a sua sobrevivência no meio natural muda o clima da terra? Aí mostramos que isso não é possível porque os entes de maior intensidade como o sol, os oceanos, os vulcões, nuvens se sobrepõe a qualquer ação humana no clima planetário”, explicou o cientista.

Outro fator desmistificado na palestra é a interferência que o dióxido de carbono no clima. “Na verdade, é o CO² quem acompanha as mudanças climáticas e não ele quem as proporciona”, pontua Felício.

Doutoranda Dani Moraes assistiu a palestra na Universidade de Cuiabá e defende que a dúvida é mestre da ciência, por isso avalia como importante palestras como a do doutor Ricardo Felício, que questionam teses antigas. “Bem importante ver os contrapontos, conhecer as ideias que surgem do conhecimento científico. A ciência vem a partir do questionamento e não existe ideia pronta, por isso é sempre importante ver outros pontos de vista para agregar sempre”, disse.

“É mais do que excelente, porque a nível mundial existem vários grupos que propagam mentiras ideológicas. Então a gente saber e conhecer análises científicas que desmistificam muitas teses, é importante para levarmos isso as propriedades e sociedade. Nós como futuros agrônomos vamos estar mostrando a verdade para os produtores”, avaliou o acadêmico de agronomia em Campo Novo do Parecis, Elizandro Jaskulski.

Diretor administrativo da Aprosoja Mato Grosso, Lucas Costa Beber disse que a primeira semana de circuito foi positiva e que o evento é uma oportunidade que a entidade tem de se aproximar da sociedade. “Muito satisfatória, tivemos um público muito bom e interessado em aprender mais. Essa também é uma oportunidade da Aprosoja e dos produtores do Estado, se aproximarem da sociedade principalmente através dos universitários, levando informações importantes, de qualidade e com embasamentos científicos”, avaliou.

Na semana do dia 28 a 31 de outubro o Circuito Aprosoja Universitário levará a palestra sobre os mitos e verdades do aquecimento global nos municípios de Sinop, Lucas do Rio Verde, Nova Mutum e Tangará da Serra.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

O LIVRE ADS