“Aquecimento global é farsa para mascarar interesses geopolíticos”, diz o climatologista Ricardo Felício

Professor foi o convidado da edição de 2019 do Circuito Universitário, promovido pela Aprosoja-MT

Ele defende que o aquecimento global não passa de uma farsa para mascarar interesses geopolíticos. Cético, o paulista Ricardo Augusto Felício, professor de geografia da USP e climatologista, foi o convidado da edição de 2019 do Circuito Universitário, promovido pela Aprosoja-MT.

Felício ficou conhecido por fazer parte de um movimento considerado “negacionista” por estudiosos que seguem outra linha de pensamento, o qual ele refuta com veemência. “Somos cientistas céticos. Nos chamar de negacionistas é pejorativo. Usam esse termo chulo para nos difamar e nos desqualificar. Negacionismo é fazer alusão àqueles que negaram os grandes holocaustos que aconteceram no planeta”, disse.

O aquecimento global se apoia na afirmação de que temperatura do planeta está subindo e que os fatores externos causados pelo homem – como desmatamento, emissão de CO2 na atmosfera e o agronegócio – sejam os grandes responsáveis pelo fenômeno climático. Tese essa contestada pelo professor.

“As variações de temperatura são mínimas. Aproveitam de dias extremamente quentes para defender a ideia do aquecimento. Como se o aquecimento escolhesse dias alternados para dar as caras”, disse.

Sem meias palavras e voraz no que diz, o estudioso respondeu as 5 Perguntas para o LIVRE. Confira!

1 – Por que essa teoria de que o aquecimento global é uma farsa é ignorada pela mídia?

Ricardo Felício – Na verdade não é uma teoria e sim uma hipótese. Essa teoria foi lançada, mas não existem evidências que corroborem com ela, nem que, primeiro: o CO2 controla a temperatura; segundo: não há evidencias de que o CO2 controla o macroclima do planeta e, pior ainda, não conseguem trazer evidências de que a temperatura global média signifique alguma coisa em relação a climatologia.

Já se passaram 31 anos desde que surgiu o tal aquecimento global. 1/3 do século já se passou e nada aconteceu. Os termômetros não subiram sequer 1 grau. A mídia trabalha para esse sistema. Ganha dinheiro com isso. O aquecimento global se tornou uma grande indústria nos últimos 30 anos.

2 – Esse seria o motivo de não existir um apoio popular no Brasil para desmistificar o aquecimento global?

Ricardo Felício – A lavagem cerebral é feita nas escolas, com material didático totalmente comprometido e com base ideológica completa. As crianças crescem já aceitando isso como verdade no Brasil. Quando tivemos a queda do muro de Berlim, em 1989, por exemplo, a maioria dos comunistas se tornaram “verdinhos”, ou seja, ambientalistas. Veja o caso do parlamento europeu, a Ângela Merkel, é da juventude comunista, mas ainda tem parceria com o Putin porque depende do gás da Rússia para manter a Alemanha funcionando. Então os laços geopolíticos são mais profundos do que a gente possa imaginar, e o interesse de que isso seja exposto à população é zero.

3 – O quanto esse ciclo climático interfere no calendário agrícola?  Já surgiram os primeiros indícios?

Ricardo Felício – Os reflexos na agricultura já começaram. Os primeiros deles são no hemisfério Norte. O cenário geopolítico começa a ficar mais claro também. Porque os grandes líderes políticos batem de frente diretamente com o Brasil? O Emmanuel Macron está fazendo uma “treta” com o Brasil porque ele é um grande fornecedor de produtos agrícolas e não quer concorrência.

A China e os Estados Unidos sabem que irão sofrer com as baixas temperaturas já que o hemisfério Norte é primeiro a sofrer com o frio e por isso já querem garantir reserva de alimento e esse lugar é o Brasil. África não dá. Lá é uma “treta” de várias regiões brigando entre si. Brasil é uma só nação e tem uma área tropical gigantesca e dá para produzir mesmo com climas mais frios. Quando dobrar a área agrícola, iremos alimentar metade da população mundial. Isso vai acontecer por necessidade. E o real interesse do “aquecimento global” será descoberto.

Observe a postura da rainha Elizabeth – que nunca se envolve em embates – quando o parlamento britânico começou a puxar a sardinha para o Macron, ela foi lá e cancelou a sessão. Acha mesmo que ela quer “treta” com o Brasil? E são esses detalhes que passam batidos. E isso é uma coisa que o governo atual vem pecando, pois poderia construir uma narrativa com base nesses episódios e se firmar.

4 – Antes de começar a palestra, você comentou estar atônito com a demissão de uma colega sua de pesquisa. Teme que aconteça o mesmo com você?

Ricardo Felício – A minha colega de pesquisa e zoóloga Susan Crockford, que atuava como professora adjunta, foi demitida da academia de estudos ligados ao clima e aos ursos polares. Ela rebate com dados e muito estudo o fato de que a população de ursos polares está diminuindo devido ao aquecimento global. Por isso ela foi cortada, isso incomoda.

Existem muitos cientistas céticos, mas boa parte está com medo de ser revelar e defender suas teses. Estamos mexendo com poderosos. Eu já estou sentindo o reflexo por comprar a briga. Sou professor da Universidade de São Paulo e meu salário foi cortado para mil e setenta reais, depois de 10 anos lecionando. Desafio qualquer um a justificar meu corte de salário que não seja boicote.

5 – Qual argumento usar para aquele vizinho defensor do aquecimento global que manda abaixo-assinado no Facebook e levanta a bandeira ‘salvem o planeta’?

Ricardo Felício – Basta explicar de forma simples de que o homem é insignificante perante a natureza. Ao mesmo tempo desprezamos o poder que a natureza tem em se recuperar. Tudo na natureza é de proporção gigantesca. Inclusive a explosão da vida em algas, vegetação. Um dia de chuva na Amazônia e tudo começa a ficar verde. É assim que funciona a natureza. O planeta vai esquentar e esfriar e não está nem aí. A nossa escala é ridiculamente pequena. Falar que o homem controla a variabilidade do clima é ridículo.  ‘Ah, mas as cidades estão aquecendo o planeta’. Meu! olha o tamanho das cidades em relação ao planeta, é de 0,05 da superfície, não dá para computar isso com o tamanho do oceano pacifico, por exemplo.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

5 COMENTÁRIOS

  1. Pleno acordo.
    Tenho 63 anos e não vejo nenhum evento climático recente, que eu já não tenha presenciado na minha vida.
    A geração urbana “ar condicionado” experimenta uns choques térmicos quando sai do carro, do shopping, do escritório e acha que isso é aquecimento global. E embarca nessa balela.
    Excelente o Ricardo Felício.

  2. Qual interesse geopolítico poderia ser maior do que o interesse financeiro, do Agronegócio, que está bancando esse tipo de palestra?

    “Nos deixem plantar soja até a cordilheira dos ANDES-SN em paz, ganhar nossos milhões, comam e respirem veneno e não reclamem!”

    É vergonhoso ver um “cientista” se prestando a um papel ridículo desses…

  3. É muito difícil acreditar que essas “verdades” sejam mentiras, principalmente quando acreditamos por décadas. É preciso ser corajoso pra procurar informações nas fontes contraditórias e aí sim, elaborar a opinião. A gente só escuta o disco inteiro quando escuta os dois lados, mas a maioria da população não é educada pra pensar com a própria mente, é educada pra acreditar no que vê e ouve pelos olhos e ouvidos dos outros, por isso somos um país tão atrasados intelectualmente. Não fosse pela coragem de cientistas como o prof. Ricardo Felício, nunca saberíamos, por exemplo, que a Amazônia não é o pulmão do mundo, e mesmo que essa afirmação de que é o pulmão do mundo já tenha sido refutada há mais de 20 anos, até hoje você vê, por exemplo, presidentes europeus acreditando que é.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCircuito Universitário reúne mais de 1,2 mil pessoas na primeira semana
Próximo artigoO que vai cair no Enem? Professores de três das melhores escolas públicas de Cuiabá respondem

O LIVRE ADS