Estados e municípios vão poder comprar e pagar antecipado durante pandemia

Medida Provisória do governo federal acendeu sinal de alerta para órgãos que fiscalizam gastos públicos com a pandemia do coronavírus

(Foto: Mayke Toscano/Secom-MT)

Estados e municípios poderão fazer compra em qualquer setor sem a necessidade licitação e com pagamento adiantado às empresas contratadas durante o período de pandemia do novo coronavírus.

A flexibilização das regras de contratação está prevista na Medida Provisória 961/20, publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira (7).

As compras das unidades federativas poderão ocorrer nos moldes do Regime Diferenciado de Contratações Públicas (RDCP) em todas as licitações de obra, serviços, compras, alienações e locações, independentemente do órgão.

“Esse modelo já existe no Brasil com a finalidade de acelerar as comprar necessárias em momentos de crise, como é o caso do coronavírus. É necessário fazer isso para não travar ações do Estado, contudo, os órgãos de controle terão que fazer fiscalização mais próxima”, disse o promotor de Justiça do núcleo de Patrimônio Público, Roberto Turin.

A MP aumentou em ao menos quatro vezes os valores máximos para dispensa de licitação. Os novos valores são até R$ 100 mil para obras e serviços de engenharia e até R$ 50 mil para compras e outros serviços.

Antes, eles estavam em R$ 33 mil e R$ 17,6 mil, respectivamente.

Promotor de Justiça do núcleo de Patrimônio Público, Roberto Turin (Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Pagamento antecipado

A Medida Provisória ainda autoriza o pagamento adiantado para as empresas contratadas. Mas isso poderá ocorrer apenas se for considerado indispensável para obter o bem ou assegurar a prestação do serviço, ou para proporcionar “significativa economia de recursos”.

Histórico estadual

O relaxamento aberto pela medida provisória deverá acender o sinal de alerta para os órgãos de controle em Mato Grosso. Eles vão precisar acelerar a instalação de mecanismos para acompanhar as atividades financeiras do Estado e municípios.

O Tribunal de Contas do Estado (TCE), por exemplo, já aprovou no início da semana a obrigatoriedade de criação de conta única para movimentação de recursos durante o período da pandemia. Mas as prefeituras ainda terão tempo para se adequarem às modificações.

O histórico em Mato Grosso do regime diferenciado ainda tem alcance nos dias atuais, por problemas de caixa oriundos de desvio de recursos.

As obras para a Copa do Mundo 2014 é um caso emblemático. Foi o cenário mais escandaloso da política estadual por superfaturamento, pagamento de propina e lavagem de dinheiro, todos crimes ocorridos em contexto de RDCP.

“Eu acredito que os órgãos fiscalizadores estão melhores preparados para lidar com a situação hoje. A Copa é um exemplo de quebra de confiança, também ocorrida no momento de urgência das obras. Mas a situação foi muito politizada. Hoje, é possível ter uma postura diferente”, disse o promotor Roberto Turin.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCompanhia Energética Sinop realiza ações eficazes no controle, combate e prevenção à malária
Próximo artigoHomem morre com a queda de um galho na cabeça enquanto cortava árvore