Covid: diário da vacina #20

Deve-se ficar atento aos documentos exigidos

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre )

Profissionais que coordenam a campanha de vacinação em Cuiabá alertam a população da necessidade de estar munido com a documentação necessária no dia da imunização.

No caso das grávidas e puérperas sem comorbidade, um dos grupos prioritários na vacinação, é necessário apresentar um atestado médico, além da comprovação do cadastro e agendamento.

A coordenadora do registro e acolhimento do polo de vacinação que fica no Centro de Eventos do Pantanal, Vera Lucia Ferreira, disse que as pessoas não se atentam aos documentos exigidos e, a ausência da documentação, impede a aplicação da dose.

“Todos os dias chegam até os postos de vacinação pessoas sem os documentos. A exigência de um atestado para as mulheres grávidas e puérperas sem comorbidade, por exemplo, se faz necessária porque é o médico que acompanha a paciente que pode avaliar o custo-benefício da vacinação”, avaliou.

A profissional acrescentou que no caso das grávidas e puérperas sem comorbidade, o atestado pode ser do médico ginecologista ou pediatra.

Outros grupos prioritários

No caso de profissionais da educação, a coordenadora enfatiza que é necessário apresentar um documento de comprovação de vínculo com Secretaria de Educação de Mato Grosso (Seduc), independente da unidade de ensino ser municipal, estadual ou federal.

“Estamos vacinando os profissionais de educação que atuam em Cuiabá. Em caso de atuação em outro município, mesmo que comprovado o vínculo, nós não estamos imunizando”, explicou.

Onde estão os postos em Cuiabá

Em Cuiabá, há seis polos de vacinação:

  • Senai Porto
  • Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)
  • Sesi Papa, Centro de Eventos do Pantanal
  • Sesc Balneário
  • Assembleia Legislativa

 

Leia também:

(com informações da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorTextão nas redes sociais
Próximo artigoMédico online é o futuro da saúde? Pesquisa mostra como três cidades evoluíram na pandemia