Ação contra Guilherme Maluf por participação na Rêmora é enviada para a 7ª Vara

Guilherme Maluf responde a um processo criminal por corrupção e organização criminosa

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

O desembargador Rondon Bassil Dower Filho, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), reconheceu a perda do foro privilegiado do conselheiro do Tribunal de Contas do Estado, Guilherme Maluf, e declinou a competência para julgar a ação penal que o investiga por suposta participação em um esquema que desviava recursos da Secretaria de Estado de Educação (Seduc).

Com a decisão do magistrado, desta sexta-feira (24), o processo deve ser encaminhado para a 7ª Vara Criminal de Cuiabá, onde já tramitam outras ações referentes ao caso.

Maluf tornou-se réu na justiça em fevereiro de 2019, após ser denunciado pelo Ministério Público do Estado por corrupção passiva (cometida 20 vezes), integrar uma organização criminosa e embaraço às investigações.

No início de março, ele deixou o cargo de deputado estadual para se tornar conselheiro da Corte de Contas. Apesar de ainda ter foro por prerrogativa de função junto ao Superior Tribunal de Justiça, o benefício não pode ser aplicado a ele, uma vez que o crime denunciado não tem relação com sua nova função.

Com isso, Maluf perdeu o direito ao foro privilegiado, considerando o novo entendimento do Supremo Tribunal Federal.

“Diante dessas balizas e sabendo-se que o denunciado Guilherme Antônio Maluf já não é mais titular de mandato parlamentar, é de todo evidente que com o fim do exercício funcional correlato, ficam encerradas a investidura e a competência originária do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso para processar e julgar esta ação penal, sendo imperiosa a remessa dos autos, portanto, ao Juízo de primeira instância”, considerou o desembargador, em sua decisão.

MPE

No fim de março, o coordenador do Núcleo de Ações de Competência Originária (Naco Criminal) do MPE, procurador Domingos Sávio de Barros Arruda, já tinha pedido que o Tribunal de Justiça remetesse o processo à 7ª Vara Criminal de Cuiabá.

No parecer, encaminhado ao desembargador Rondon Bassil, o procurador havia observado, justamente, o entendimento do STF quanto ao benefício do foro por prerrogativa de função.

Rêmora

A denúncia contra o ex-deputado foi aceita no TJMT no dia 14 de fevereiro, uma semana antes de ele ter sido escolhido entre os colegas deputados para assumir vaga no TCE. A cadeira ocupada por Maluf pertencia ao ex-conselheiro Humberto Bosaipo, que também chegou à Corte de Contas por meio de indicação da Assembleia Legislativa de Mato Grosso.

No caso relativo ao processo, as fatos foram desmantelados no âmbito da Operação Rêmora, em 2015, quando o Ministério Público apontou que Guilherme Maluf teria cometido o crime de associação a uma organização criminosa e corrupção passiva, sendo que o último, teria sido praticado pelo menos 20 vezes.

A organização à qual Maluf teria se associado é acusada de desviar recursos da Secretaria Estadual de Educação (Seduc), no início da gestão Pedro Taques (PSDB), para pagamento de dívidas de campanha. O líder do esquema teria sido o empresário e delator Alan Malouf, que foi tesoureiro de Taques. Sobre o caso, o ex-secretário Permínio Pinto também foi delator.

O valor desviado pelos membros teria sido de R$ 400 mil, já que o esquema foi desmantelado logo no início. Segundo seu primo, o empresário Alan Malouf, revelou à Procuradoria Geral da República (PGR), o ex-parlamentar teria recebido propina em troca de apoio político para que os crimes da gestão fossem encobertos.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorLady Francisco morre aos 84 anos, no Rio de Janeiro
Próximo artigoAlpinista britânico morre ao escalar o Monte Everest

O LIVRE ADS