Pecuarista adota técnicas sustentáveis e aumenta 10 vezes a rentabilidade no campo

Pecuarista Breno Molina obtém rendimento anual de aproximadamente R$ 2,3 mil por hectare; média brasileira é de R$ 132 ao ano

Pecuarista Breno Molina - Foto: Assessoria

Breno Molina, 42 anos, administrador de empresas, possui 375 hectares de uma área em Poconé, no Pantanal mato-grossense, onde trabalha desde 2007 com um rebanho de aproximadamente mil cabeças. A partir da utilização de tecnologias de ponta, ele vem obtendo excelentes resultados e que são referência no Brasil em rentabilidade na pecuária e sustentabilidade.

Na última semana, a Nelore Moinho reuniu produtores e parceiros em um ‘Dia de Campo’, na Fazenda Onça Pintada, para mostrar o trabalho desenvolvido e que faz frente às melhores lavouras de soja. Além dos bons resultados zootécnicos, com baixa incidência de doenças, por exemplo, ele alcança uma lotação animal (a pasto) muito alta e superior a 4 cabeças por hectare, sendo que a média estadual é de 1 cabeça por hectare, ao ano.

Dia de Campo – Foto: Assessoria

No entanto, o que mais chama a atenção no sistema produtivo apresentado é o rendimento anual: aproximadamente R$ 2,3 mil por hectare, número 10 vezes superior à média de R$ 132 anuais da pecuária no Brasil e no Estado. Isso porque da área total de 375 ha, o trabalho é realizado por Breno Molina em apenas 205 ha da parte alta, que não sofre alagamento no período de chuvas no Pantanal.

Conforme o empresário, que também é presidente da Associação de Criadores Nelore de Mato Grosso (ACNMT), foi importante abrir a porteira da propriedade por dois motivos. O primeiro é ajudar na divulgação dos seus animais que irão a leilão no mês de agosto. A outra proposta é mostrar aos demais produtores, incrédulos, que é possível mudar antigas concepções e com isso obter resultados melhores e em harmonia com o meio ambiente.

[featured_paragraph]“Quando conto sobre nosso trabalho, a maioria das pessoas não acredita, diz que sou louco ou mentiroso, que estou inventando, ou as duas coisas. Mas com esse projeto, realmente é possível agregar maior lucro à atividade, desde que se agregue de novas tecnologias e informações, é preciso estar aberto a algumas mudanças e enxergar a propriedade como um negócio que requer planejamento e investimento”. [/featured_paragraph]

Ele conta que deve a evolução do negócio a um planejamento minucioso de trabalho que envolveu uma proposta de médio e longo prazo. Com formação em administração de empresas, afirma que o primeiro passo foi enxergar a propriedade como uma empresa. Nesse período, também contou com a dedicação de uma equipe de profissionais especializados, cada um na sua área.

“O Dia de Campo não foi para vender uma proposta pronta de trabalho, mas para mostrar que o que eu faço é possível, então, cada pecuarista ou técnico na área da pecuária pode avaliar aquilo que estou realizando para poder, posteriormente, fazer um plano de trabalho que esteja adequado para a sua realidade, inclusive porque Mato Grosso é um Estado continental e com realidades muito distintas, então, cada produtor tem que encontrar sua maneira de fazer dar certo”.

Passo a passo

Durante o evento, Breno Molina falou com os visitantes sobre os passos para a implantação do seu plano de negócio, tudo começou com a análise do solo, no primeiro ano, e que é repetida anualmente. Como havia na propriedade rural da família investimento anual em calcário, ele insistiu que queria fazer análises para investir apenas o necessário e evitar o desperdício.

[featured_paragraph]“Para a minha surpresa, o valor economizado deu para pagar mais de dois anos de serviços do engenheiro agrônomo que foi contratado e acompanha o trabalho até hoje. Ao longo dos anos, temos tido menor necessidade de correções do solo”, explica. [/featured_paragraph]

O agrônomo Ademir Alves da Costa Junior explica que também é feito trabalho com adubação do solo, combate às plantas invasoras e pragas. Uma inovação que chama a atenção diz respeito à canalização da água para toda a propriedade. Ao longo de três anos, o pecuarista construiu um sistema rotacionado, com instalação de três poços artesianos e bebedouros, sistema que reduziu a praticamente zero o índice abordo em fêmeas prenhes.

Aliás, oferecer água limpa e potável ao rebanho vem contribuindo significativamente com a redução de doenças e melhoria no desempenho dos animais. “Não podemos ver tudo como custo, neste caso, porque são investimentos que têm retorno surpreendentes e valem muito a pena”, enfatiza Breno.

Foto: Assessoria

Desde o início, o pecuarista vem investindo também para multiplicar genética, principalmente do rebanho P.O., inclusive faz questão de ter o acompanhamento de um técnico da Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ) até na compra dos seus animais. Quem faz esse acompanhamento é o zootecnista José Ferreira Pankowski, que elogia iniciativa, pois essa assessoria impacta em um geração inteira de do animal, com tempo médio de 5 anos.

[featured_paragraph]“Sou a terceira geração de pecuaristas na família, então, já estava observando a forma como meu pai e avô trabalhavam e percebi que não alcançaria os resultados esperados. Passei a planejar como poderia inovar, busquei novas oportunidades e levei em conta as condições naturais da região pantaneira para fazer esse trabalho, sem abrir novas áreas”, conta. [/featured_paragraph]

Para o médico veterinário, Lorenzo Pacheco, que coordena os trabalhos de toda equipe especializada, é importante criar condições para que a pecuária seja competitiva tanto quanto a agricultura ou mais. O sistema de trabalho é diferente, com ciclos mais longos. Mas é possível já nos primeiros dois anos sentir o impacto e chegar a um resultado extraordinário de R$ 400 por hectares.

Em oito anos, segundo Pacheco, é possível alcançar R$ 900 ou mesmo mil reais por hectare de lucratividade. “O investimento em genética é fundamental para haver o melhoramento do rebanho. Aliás, hoje, a produção na pecuária não tem mais lugar para processo amador, é necessário e fundamental profissionalizar a atividade”.

Leilão Fazenda Onça Pintada

Breno Molina vai promover o Leilão Fazenda Onça Pintada – Nelore Moinho no dia 4 de agosto deste ano, quando ofertará 300 fêmeas Nelore PO, contando com a assessoria de Ademir Jovanini Augusto Filho, da Premier Assessoria, e José Pankowski, técnico e jurado da ABCZ, proprietário da JP assessoria e membro do conselho técnico da ACNMT, responsável pela implantação e execução do Programa de Melhoramento Genético das Raças Zebuínas (PMGZ) no Nelore Moinho. Haverá transmissão do Canal Rural para todo país. A leiloeira será a Programa Leilões, com a condução de Paulo Brasil, tradicional leiloeiro.

Número de Mato Grosso

Com mais de 30 milhões de animais, Mato Grosso tem destaque no cenário nacional por possuir o maior rebanho bovino do país, com cerca de 90% Nelore ou ‘anelorado’. À frente da ACNMT – Nelore MT desde dezembro de 2018, Molina frisa que a diretoria da instituição tem trabalhado em prol do aumento da produtividade da pecuária de corte mato-grossense.

“Nossa proposta para o Nelore é melhorar continuamente a qualidade da sua carne, que possui um tradicional ‘sabor do campo’, e com isso oferecer mais uma boa opção premium ao consumidor nas gôndolas dos supermercados do Brasil e do mundo”, afirma o pecuarista.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorFebre Suína Africana impacta negativamente mercado mundial da soja
Próximo artigoUm ano desaparecida: polícia encontra ossada de jovem e ex é preso

O LIVRE ADS