Paralisação de vigilantes compromete logística na UFMT

Quem veio de ônibus andou mais, quem estava de carro estacionou do lado de fora

Profissionais asseguram que retornarão ao trabalha apenas após o pagamento dos salários atrasados (Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Parte das aulas da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) foi suspensa e quem manteve o cronograma, precisou descer do ônibus na avenida Fernando Correa da Costa ou imediações da instituição e entrar no campus andando.

As guaritas estão fechadas desde o começo da manhã por causa da paralisação dos vigilantes que estão há 3 meses sem receber os salários.

Qualquer tipo de veículo era impedido de entrar e o espaço nas avenidas do entorno ficou pequeno para a quantidade de carros estacionados.

Outro problema era a falta de sinalização adequada, o que causou confusão e deixou muita gente presa por horas.

Marilda Matzubara é professora aposentada e disse que veio buscar um documento, mas não sabia da paralisação. Resultado: quando viu, estava presa entre os carros.

Ela defende que, mesmo com os transtornos causados pelo fechamento das guaritas, a atitude dos funcionários é correta. “Eles já ganham salários baixos e ainda ficam sem receber. Não dá mesmo”.

Com relação a segurança, a educadora acredita que não haja problemas porque a segurança é patrimonial e a Polícia Militar está sempre circulando.

Impacto apenas dentro dos muros

Estudante do curso de pós-graduação, Ataíde Martins acredita que a paralisação vai sensibilizar a comunidade acadêmica e as pessoas que trabalham dentro da universidade, porém dificilmente atingirão o apoio da sociedade em geral.

Na opinião dele, quem teve a logística alterada acaba formando uma opinião sobre a questão. Já quem não vivência, não assumiria nenhuma postura porque individualmente não foi atingido.

“Precisamos saber o objetivos deles. Se era chamar atenção dentro do campus, conseguiram”.

A reivindicação

A universidade tem 64 vigilantes e uma parcela deles diz que está com 3 meses de salários em atraso. O restante afirma que está indo para o quarto mês sem receber.

Um dos profissionais, que não quis se identificar com medo de retaliações, conta que o empurra-empurra entre universidade e a empresa MJB perdura desde 2016.

“A empresa diz que a UFMT não pagou e a UFMT diz que pagou e a empresa não repassou. Queremos uma acareação entre os dois para saber quem está mentindo”.

João Batista (nome fictício) conta que ele, a esposa e um cunhado estão com o nome sujo na praça por causa dos atrasos. Como precisou fazer empréstimos sucessivos para pagar as contas e a empresa não regularizou o pagamento, a dívida virou uma bola de neve.

“Lá em casa, a situação vai virar separação. Minha luz está cortada há 1 semana e não tenho mais a quem recorrer. Fui na empresa pedir para me mandarem embora, assim teria pelo menos o dinheiro do fundo de garantia. Mas eles disseram que, se eu quisesse, era para pedir conta”.

LEIA TAMBÉM

Outro lado

O LIVRE entrou em contato com a assessoria de imprensa da UFMT, mas até o fechamento desta matéria não houve retorno.

De acordo com os manifestantes, um representante da reitoria foi à guarita pela manhã e propôs que todos fossem até a administração para conversar. Eles não aceitaram o convite alegando querer uma reunião com a UFMT e a empresa MJB .

Os vigilantes garantem que, enquanto os salários não estiverem na conta, os portões permanecerão fechados.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorO assunto é um tsunami na costa brasileira
Próximo artigoOito filhotes esperam por um novo lar na Praça Alencastro