Governo defende revisão de parque ambiental na Serra Ricardo Franco

Secretária de Meio Ambienta, Mauren Lazzaretti, diz que extinção da reserva pode ter reação negativa do mercado

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Secretária de Meio Ambiente de Mato Grosso, Mauren Lazzaretti disse que a extinção do parque ambiental na Serra Ricardo Franco “não trará bons resultados”, tanto para o governo quanto para o agronegócio. 

O governo defende a alternativa de reavaliar o traçado para retirar o embargo a produtores rurais instalados em cerca de 24 mil m² e, ao mesmo tempo, manter o status de reserva. 

“Existe espaço para uma discussão de retirar ou manter áreas e, inclusive, áreas de reservas que estão próximas para esse limite [do parque]. É bom fazer essa discussão porque estão falando de mais de 20 anos entre definição da área como parque e a implantação do parque mesmo”, afirmou. 

Segundo a secretária, o estudo feito pela Assembleia Legislativa que considera a hipótese de revisão do parque coincide com outro levantamento da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), com avaliação do plano de manejo – documento que norte os trabalhos de zoneamento ambiental. 

A presidência da Assembleia Legislativa suspendeu nesta semana a votação de um projeto de decreto legislativo para extinguir um decreto do governo de 1997 que atribuiu o status de reserva ambiental à Serra Ricardo Franco. 

LEIA TAMBÉM

A implantação do parque pouco avançou nesse período e paralelamente produtores rurais estão impedidos de investir em negócios. O decreto do Executivo prevê indenização e esses donos de terra, porém não haveria caixa por causa do alto valor da área. 

Os deputados tentaram votar o assunto em 2017, mas o trâmite do projeto de decreto foi travado e, agora, voltou a ter resistência. 

O Ministério Público do Estado (MPE) se manifestou contra a extinção. A suspensão no trâmite ocorreu para debater o assunto entre órgãos fiscalizadores, deputados e produtores rurais para apresentar uma solução alternativa no prazo de até 50 dias. 

Impacto negativo

O governo de Mauro Mendes está atento ao assunto pelo impacto que a derrubada do decreto pode gerar no mercado internacional. Mauro tem tentando sintonizar a produção do agronegócio com a exigência de sustentabilidade dos países compradores. 

“A extinção por si não é positiva, nem para o governo nem para o setor produtivo. A solução mais acertada para o estado é discutir de a forma acertada. Aquela área tem importantes ativos ambientais que precisam ser conservados”, disse Mauren Lazzaretti.     

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPolícia apreende 25 quilos de cocaína na divisa entre MT e Goiás
Próximo artigoReceita de MT chegou a R$ 28,5 bilhões em 2021 e tende a subir este ano