Volta às aulas: MP pede aplicação de multa a Emanuel Pinheiro

MP afirma que o prefeito agiu com ma-fé ao pedir a reconsideração da decisão que determinava a reabertura das escolas nesta quarta-feira

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre )

O Ministério Público de Mato Grosso requereu ao Poder Judiciário que aplique ao prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), uma multa por litigância de má-fé. O processo em questão é que o culminou na decisão pelo retorno das aulas presenciais na rede municipal de ensino a partir desta quarta-feira (8).

De acordo com o MP, a Prefeitura de Cuiabá tem “embaraçado” o processo judicial na medida em que alegou “grave ameaça à ordem, à economia e à saúde pública” usando como argumento outra discussão judicial que não teria relação com o caso.

A Prefeitura de Cuiabá ingressou com um pedido de reconsideração da decisão pelas voltas às aulas afirmando que a oferta de kits de alimentação escolar até julho onerou o patrimônio municipal e criou dificuldades para o retorno das atividades presenciais nas escolas.

LEIA TAMBÉM

Para o Ministério Público a ma-fé na alegação se dá porque a ação que pedia a ampliação da oferta dos “kits merenda” perderia o objeto com o retorno das aulas presenciais. Além disso, organizar a alimentação dos alunos é uma atividade diretamente relacionada à volta às aulas, portanto, não haveria como alegar se tratar de uma despesa a mais.

“Observa-se claramente do pedido de reconsideração do Município de Cuiabá o seu caráter meramente protelatório”, escreveu o promotor de Justiça Miguel Slhessarenko Júnior.

No pedido pela aplicação de multa ao prefeito, o Ministério Público ainda argumenta que Cuiabá encontra-se na terceira semana consecutiva de classificação de risco baixa pra a covid-19.

Neste cenário, de acordo com as regras sanitárias válidas para o Estado, já seria possível receber de 70% a 100% dos alunos de forma presencial nas escolas. A decisão da Justiça determina que somente 50% retornem às salas de aula em Cuiabá, sendo o sistema de ensino híbrido adotado.

Na ação, o Ministério Público pediu a extensão da multa a secretária municipal de Educação, com possível afastamento do cargo caso não cumpra a decisão em 5 dias.

O que diz a Prefeitura de Cuiabá?

Em nota encaminhada ao LIVRE a Secretaria Municipal de Educação afirmou que:

“1. Atua pautada pelas orientações e dados técnicos do Comitê Municipal de Enfrentamento à Covid19;
2. O município de Cuiabá, embora apresente um cenário de desaceleração da transmissão do novo coronavírus (conforme dados do mais recente Informe Epidemiológico divulgado no mês de agosto/2021), permanece amparado por normativas específicas primando pela saúde da população;
3. Defende a necessidade de imunização de 100% dos profissionais da educação (completando dessa forma o esquema vacinal, incluindo os 15 dias de prazo após a aplicação do imunizante, a fim de garantir um retorno seguro para toda a comunidade escolar). Mediante esse entendimento, solicitou à Justiça a reconsideração da ordem judicial e aguarda manifestação;
4. Reitera que essas medidas são necessárias diante do contexto da educação municipal que atende mais de 54 mil estudantes, com 7,3 mil profissionais o que representa um enorme quantitativo de pessoas em um mesmo ambiente;
5 – Por fim, pondera ainda que o Município, desde o início da pandemia, oferece aos seus estudantes o ensino remoto por meio de estratégias de educação a distância, atividades apostiladas, entrega de kits pedagógicos e kits do Programa Alimentação Escolar, para aqueles em situação de vulnerabilidade econômica e social, entre outras ações”.

(Atualizada às 12h45)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPedestre morre ao ser atropelado em cima de ponte sobre o Rio Teles Pires
Próximo artigoEdição de Mato Grosso do Festival Nacional do Tambaqui vai ajudar o Abrigo Bom Jesus de Cuiabá