Justiça determina retorno das aulas presenciais em Cuiabá

Volta às aulas na rede municipal deve ocorrer a partir do dia 8, sob pena de multa de R$ 100 mil para o prefeito Emanuel Pinheiro

(Foto de Katerina Holmes no Pexels)

O Ministério Público de Mato Grosso obteve nesta terça-feira (31) decisão liminar que obriga a Prefeitura de Cuiabá a retomar as atividades presenciais em escolas da rede municipal de ensino. A volta às aulas deve ocorrer a partir do dia 8 de setembro.

De acordo com a decisão da Justiça, se descumprir a ordem, o próprio prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) será multado em R$ 100 mil por dia, até que as aulas sejam retomadas.

A sentença prevê que as atividades deverão ser desenvolvidas de forma híbrida, ou seja, no esquema de revesamento entre presencial e remoto, conforme prevê o Plano de Retorno às Atividades Presenciais estabelecido por um decreto do próprio Município e pela Lei Estadual 11.367/2021, que reconhece a Educação como atividade essencial.

E se houver surto de covid?

A liminar prevê ainda que, em caso de necessidade epidemiológica comprovada, o Município deve suspender, primeiramente ou conjuntamente, todas as atividades não essenciais, dando prioridade para a manutenção das escolas abertas.

Na ação, o Ministério Público enfatizou o dever constitucional imposto ao poder público de conferir prioridade absoluta ao direito de crianças e adolescentes à educação e citou a comprovação do baixo aproveitamento e limitação de acesso dos alunos ao ensino remoto.

LEIA TAMBÉM

Ainda de acordo com o MP, a Prefeitura de Cuiabá não obteve êxito em justificar a necessidade de continuar prorrogando a reabertura das escolas públicas.

“O Município proíbe o retorno das aulas na rede pública mesmo ciente de que, em muitos períodos, se manteve (e mantém) no estágio de risco que, segundo as regras do Estado e do próprio Município de Cuiabá, permitiriam a retomada”.

O que diz a Prefeitura de Cuiabá?

A Prefeitura de Cuiabá classificou como uma “medida temerária” a decisão da Justiça de Mato Grosso determinando a volta às aulas presenciais na rede municipal de ensino a partir do dia 8 de setembro.

Em nota divulgada à imprensa, o Município não informou, contudo, se vai recorrer da decisão. Disse apenas desconhecê-la.

A Prefeitura ainda afirmou que “sempre respaldou-se no intento de salvar e preservar vidas já que o universo na educação municipal abarca a 54 mil alunos matriculados, com cerca de 7,3 mil profissionais, o que representa um enorme quantitativo de pessoas em um mesmo ambiente”.

Informou também que seu objetivo inicial era retomar as aulas presenciais a partir de 4 de outubro, já que todos os professores e trabalhadores da Educação devem ter tomado as duas doses da vacina contra a covid-19 até o dia 1º do mesmo mês.

“Hoje, 99,34% dos profissionais já receberam a primeira dose e aguardam o período normativo para a aplicação da segunda”, diz a nota.

(Atualizada às 17h)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMaggi em bilhões
Próximo artigoJornalista lança livro e documentário sobre Aline Figueiredo e a construção da cena cultural em MT