Viúva de empresário é presa acusada de envolvimento no assassinato

À imprensa ela disse ser inocente e não saber o motivo de estar sendo presa

(Foto: reprodução)

A viúva do empresário Toni da Silva Flor, 38 anos, assassinado no dia 11 de agosto de 2020, foi presa na manhã desta quinta-feira (19) acusada de envolvimento na morte do marido.

A prisão de Ana Cláudia Flor foi realizada pela Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) durante a Operação Capiciosa, deflagrada para cumprir oito ordens judiciais, três de prisão e cinco de busca e apreensão, contra suspeitos de intermediar e matar o empresário Toni da Silva Flor.

Ao descer na delegacia, Ana Cláudia foi questionada pela imprensa e negou ter mandado matar o marido e disse não saber o motivo que a levou a ser presa. “Isso que nós vamos saber agora”, disse. E também afirmou: “Eu sou inocente e vou provar”.

Homicídio

O crime ocorreu no dia 11 de agosto de 2020, no momento em que a vítima chegava à academia, no bairro Santa Marta, em Cuiabá. O suspeito estava em frente ao estabelecimento, de cabeça baixa, e perguntou pelo nome da vítima, que, quando foi responder, foi alvejada por diversos disparos.

A vítima correu para o interior da academia, sendo socorrida e encaminhada para o Pronto Socorro Municipal, com quatro ferimentos de arma de fogo. Toni chegou ao hospital consciente, sendo encaminhado imediatamente para cirurgia, porém não resistiu aos ferimentos e morreu dois dias depois.

A princípio foi trabalhada a hipótese de que o empresário havia sido confundido com um policial federal e, por isso, havia sido assassinado. Porém, isso foi descartado pelo delegado Marcel Oliveira, responsável pela investigação do caso.

LEIA TAMBÉM

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anterior“O que eu quero é que a Justiça seja feita”, diz mãe de crianças assassinadas
Próximo artigoO presidente da pandemia