Sindicato pede que Ministério Público recomende lockdown em Cuiabá e VG

Profissionais da Enfermagem afirmam que Mato Grosso deveria estar em "alerta máximo". Prefeito já havia dito que a situação está sob controle

Imagem Ilustrativa (Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

O Sindicato dos Profissionais de Enfermagem de Mato Grosso (Sinpen) requereu nesta segunda-feira (8) que o Ministério Público Estadual (MP) recomende a adoção de um lockdown – a paralisação completa de todas as atividades – em Cuiabá e Várzea Grande.

O ofício foi encaminhado ao procurador-geral de Justiça, José Antônio Borges, a quem o sindicato também pediu outra recomendação, desta vez, ao governo do Estado: a construção de hospitais de campanha no interior.

O objetivo é criar mais leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) em cidades polo, o que contribuiria para evitar uma sobrecarga aos que já existem na Região Metropolitana.

No documento, o Sindicato sustenta vir observando um aumento no número de profissionais da saúde infectados com o novo coronavírus e afirma que isso tem colaborado com a propagação da covid-19.

Cita ainda os dados do último boletim diário da Secretaria de Estado de Saúde (SES), segundo o qual 45% dos leitos de UTI já estão ocupados em Mato Grosso.

Para a categoria, o número “coloca em alerta máximo o sistema de saúde”.

Pico de casos

Na última quinta-feira (4), Mato Grosso registrou um salto considerável nas notificações diárias de novos casos de covid-19. Segundo o boletim informativo daquela data, 359 diagnósticos foram registrados em 24 horas.

Desde então, os boletins da Secretaria de Saúde têm uma diferença média de 200 casos a mais que os registrados no dia anterior.

Na sexta-feira (5), no entanto, o governo de Mato Grosso informou por meio de nota que passou a incluir no boletim também os casos suspeitos de infecção pelo novo coronavírus e sobre os quais ainda não haviam testes conclusivos.

A medida se deu, ainda de acordo com a nota, diante do “crescimento do número de hospitalizações de casos suspeitos para covid-19”.

Dias antes, o secretário de Estado de Saúde, Gilberto Figueiredo, havia afirmado que um esquema de lockdown só seria justificável se 80% dos leitos de UTI de Mato Grosso estivessem ocupados. 

Gilberto Figueiredo destacou, contudo, que a decisão não cabe a ele, mas aos prefeitos.

É que ainda no início da pandemia, o governador Mauro Mendes (DEM) informou que decisões sobre o fechamento ou não de atividades econômicas caberiam exclusivamente a cada prefeito, dadas as situações distintas de diferentes regiões do Estado.

O que dizem as Prefeituras e o MP?

No início da tarde desta segunda-feira, a assessoria de imprensa do Ministério Público de Mato Grosso informou à reportagem do LIVRE que o ofício do Sinpen ainda não havia chegado às mãos do procurador-geral de Justiça, José Antônio Borges.

Já a Prefeitura de Várzea Grande informou que o Comitê de Enfrentamento ao Coronavírus vai analisar o que foi pontuado pela categoria e emitir um posicionamento.

A Prefeitura de Cuiabá também deve divulgar uma nota técnica sobre o assunto ainda hoje.

No final da semana passada, o prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) disse que um lockdown não está descartado, mas que a medida só seria considerada se o índice de contágio pelo novo coronavírus subisse de uma forma descontrolada.

Até então, segundo o prefeito, o quadro de evolução da doença estava numa margem abaixo da registrada no início da pandemia.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorVazio sanitário da soja começa na segunda-feira em Mato Grosso
Próximo artigo“Se houver descontrole”