Pandemia, frio, incêndio e seca. Entenda por que faltam chips no mundo e o impacto disso na sua vida

Se você ainda não se deu conta, saiba que eles estão presente em quase tudo que você usa no dia a dia

(Foto: Pok Rie / Pexels)

Nesta semana a associação brasileira de montadoras de veículos, Anfavea, anunciou que a produção de carros no Brasil este ano deve ter uma redução de 3% a 5%. E há pelo menos um mês quem sonha em comprar um vídeo game da nova geração – o PlayStation 5, por exemplo – não encontra produtos à venda nas lojas.

O que essas duas informações têm em comum? A escassês de chips no mundo.

Os semicondutores – como também são chamados -, dos mais simples aos mais sofisticados, são o quarto produto mais vendido no planeta, segundo reportagem do Olhar Digital. Ficam atrás somente dos automóveis, petróleo refinado e petróleo bruto.

E quanto mais tecnológicas ficam as coisas, mais presentes eles se tornam. Estão no aparelho por meio do qual você lê esse texto, na sua televisão, nos eletrodomésticos e nos carros e vídeo games.

Por que faltam chips no mundo?

A pandemia é uma das explicações, mas não é a única culpada. Sim, a covid-19 fez as fábricas de semicondutores pararem por um tempo. Mas não só isso. O coronavírus fez as pessoas precisarem trabalhar em casa e, para isso, muita gente teve que comprar equipamentos eletrônicos, ou seja, aumentou a demanda.

LEIA TAMBÉM

Mas antes mesmo da pandemia, a indústria já passava por dificuldades causadas pela própria tecnologia. Uma reportagem publicada no site Canatech afirma que as principais fabricantes de chips no mundo viram seu ritmo de produção cair a medida em que esses componentes se tornavam mais complexos.

Foto: Craig Dennis / Pexels

Os chips mais “avançados” são mais lucrativos que os mais simples, então, os esforços para produzi-los se tornaram maiores. Acontece que os mais simples estão presentes em mais produtos, então, precisam ter um ritmo de fabricação mais intenso.

Em resumo, bem antes da pandemia chegar e parar a produção, a indústria dos chips já dava sinais de que não acompanharia a necessidade do mercado.

A natureza não colaborou

E, segundo o Olhar Digital, o “toque da mãe natureza” não veio só em forma de pandemia.

No Japão, um incêndio paralisou a produção de chips em uma fábrica importante no país. Nos Estados Unidos, uma onda de frio extremo também fez a produção cair. E em Taiwan o problema é a seca, já que as fábricas desses produtos necessitam de uma grande quantidade de água.

O resultado é o relatado no início dessa matéria: faltam chips mais simples para a indústria de automóveis – onde eles são usados dos freios aos sistemas multimídia – e também os mais complexos, para a fabricação de vídeos games de última geração.

Quer saber mais sobre isso? Leia a íntegra das reportagens do Olhar Digital e do Canaltech.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPF deflagra operação contra esquema de desvio de encomendas dos Correios
Próximo artigoEconomista de Cuiabá cria ação para doar máscaras mais eficientes no transporte coletivo