Metade da floresta amazônica queimada em 2020 está dentro de MT

Em sobrevoos pela região, Greenpeace flagrou diversos focos de incêndio em pleno período proibitivo no Estado

(Foto: Christian Braga/ Greenpeace)

Há exatos 15 dias, um decreto assinado pelo governador Mauro Mendes (DEM) deu início ao período proibitivo do uso do fogo para manejo e limpeza de áreas na zona rural. O texto mantém a prática de queimadas ilegal até setembro. Mas, na prática, a realidade é outra.

Sobrevoos realizados pelo Greenpeace em território mato-grossense na semana passada flagraram diversos focos de incêndio na região da floresta amazônica.

“O cenário é desolador: além de áreas completamente queimadas, registramos imagens de territórios sendo preparados para a queima, o que indica a sensação de certeza de impunidade de quem destrói a floresta” relata a ONG.

De acordo com a organização internacional, até o dia 13 de julho Mato Grosso havia registrado 4 mil focos de incêndio. O Estado já tem o maior número de queimadas na Amazônia brasileira em 2020.

(Foto: Christian Braga/ Greenpeace)

O número representa 50% do total de queimadas na região só neste ano.

Segundo o Greenpeace, ao contrário do que muitos pensam, incêndios não ocorrem de forma natural na Amazônia.

A instituição sustenta que, para ter início, o fogo tem que ser ateado por fazendeiros e grileiros, geralmente interessados em remover a floresta para aumentar as áreas de pastagem. Outra possibilidade é quando a vegetação já está derrubada e seca pelo sol.

Reflexo

Para Rômulo Batista, do Greenpeace Brasil, as imagens das queimadas são reflexo da “política antiambiental” do governo brasileiro para toda a Amazônia, que sofre com aumento recorde do desmatamento.

“A única coisa que este governo está fazendo é colocando o clima e mais vidas em risco, especialmente as dos povos indígenas”, critica.

(Foto: Christian Braga/ Greenpeace)

Em junho de 2020, mais de 2 mil focos de incêndio foram registrados na Amazônia, um aumento de quase 20%, comparado a junho de 2019, e o maior número registrado para o mês desde 2007.

Em julho, até o dia 13, mais de mil focos de incêndio já haviam sido registrados no bioma.

LEIA TAMBÉM

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMP de Mato Grosso quer proibição de tiro esportivo para menores
Próximo artigoPandemia na pandemia: venda de remédio para insônia, depressão e estresse aumenta 20% em MT