Indícios de fraude? Candidatos a reitor da UFMT pedem anulação de “eleição”

Professores que tiveram menos votos recorreram à Justiça afirmando que o sistema de votação não era seguro o suficiente e apresentou falhas

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Candidatos a reitor da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) pediram a suspensão do processo de consulta que deu a vitória ao atual titular do cargo, professor Evandro Soares da Silva. 

A votação, ocorrida no dia 24 deste mês, é questionada na Justiça pelos professores Alexandre Machado e Danielli Beckes, cabeças das chapas de oposição. 

Soares recebeu 66,98% dos votos registrados. O prazo para inscrição na lista tríplice, que segue para escolha do governo federal, encerra nesta quinta-feira (30). 

Alexandre Machado ingressou na Justiça um mandado de segurança. Nele questionou o processo acelerado de inscrição e campanha, que ocorreu no prazo de 20 dias. Historicamente, esse prazo é de cerca de cinco meses. 

Ele argumenta no recurso que a montagem da lista tríplice deveria ter começado em março, mas foi protelada até o início de julho.

Fonte ouvida pelo LIVRE já havia afirmado que Conselho de Ensino, Pesquisa E Extensão (Consepe) já havia decidido, informalmente, no início do ano, a protelar o processo até caducar a Medida Provisória (MP) do governo federal que mudou as regras para a definição de nome. 

“Mas o mais gritante dos vícios existentes em todo o processo é quanto a falibilidade do sistema de votação escolhido. O sistema é inseguro, frágil para um pleito que deve ter como premissa máxima a segurança da votação, uma vez tendo sido denunciado pelos conselheiros quanto ao acesso dos coordenadores dos cursos de graduação e pós-graduação às senhas dos discentes”, aponta trecho do mandado. 

A chapa da professora Danielli Beckes já havia apresentado pedido de impugnação do processo à comunidade acadêmica no dia da consulta. 

LEIA TAMBÉM

O técnico em informática Thyago Jorge Machado aponta quebra de protocolo de segurança e auditoria no sistema usado para a consulta. 

Por causa das medidas de restrição social na pandemia, os votos foram registrados virtualmente por meio de um sistema aberto. É um modelo considerado seguro para evitar fraudes. 

Contudo, segundo o técnico, alguns registros no processo da UFMT não batem, por exemplo, o código de execução de voto que aparece na máquina de votos e o que ficou disponível na internet para acesso dos eleitores. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEleição evangélica
Próximo artigoPorto Esperidião: 7 a cada 10 vítimas de covid são indígenas

O LIVRE ADS