Hospital Central: MPF e Governo de MT definem novo prazo de entrega da obra

Definição ocorreu depois que o MPF acionou judicialmente o Estado para execução de sentença, após descumprimento do primeiro acordo

Projeto do Hospital Central apresentado pelo Governo

Setembro de 2022. Esse é o novo prazo de conclusão da reforma e ampliação das obras do Hospital Central de Mato Grosso, previsto no acordo judicial celebrado entre o Ministério Público Federal (MPF) e o Governo do Estado, no mês passado.

A obra inacabada, do que seria a maior unidade de saúde do estado, está localizada no Centro Político Administrativo, e dará lugar ao novo Hospital Central de Alta Complexidade. No local, já está em funcionamento o Centro de Reabilitação Integral Dom Aquino Corrêa (Cridac).

A definição ocorreu depois que o MPF acionou judicialmente o Estado de Mato Grosso para a execução da sentença prevista no processo nº 12552-42.2013.4.01.3600, após o Governo estadual não ter cumprido o primeiro acordo, firmado em 2015.

Do cronograma previsto no primeiro acordo, apenas as obras do Cridac foram concluídas e entregues à população e, mesmo assim, com atraso aproximado de dois anos.

Outro fator que levou os órgãos a fecharem o acordo foi que, em 2020, o Estado deu início ao processo licitatório para a construção do Hospital Central, mas de forma diferente do que já havia sido acordado em 2015.

Ao ser questionado pelo MPF, o Governo estadual apresentou as dificuldades enfrentadas para o cumprimento do acordo nos exatos termos firmados anteriormente, a exemplo do fato de que a área destinada ao Hospital Central não comportaria todos os serviços previstos no projeto denominado “Cidade da Saúde”, que seriam, além do Hospital Central, o Cridac, já construído, o Centro Estadual de Referência em Média e Alta Complexidade (Cermac), o MT Laboratório, a Central de Regulação do SUS e o Hospital Materno Infantil.

Com isso, várias reuniões foram realizadas entre o MPF e o Governo Estadual no esforço de achar uma solução consensual do conflito e, por fim, e mais importante ainda, de atender o interesse da população como um todo.

Execução e entrega das obras

Com a celebração do novo acordo, novas datas previstas para execução e entrega das obras também foram firmadas, conforme abaixo:

  • Hospital Central de Alta Complexidade – 29 de setembro de 2022;
  • Laboratório Central de Mato Grosso – 28 de julho de 2022;
  • Centro Estadual de Referência em Média e Alta Complexidade – 26 de julho de 2022;
  • Hemocentro – 26 de julho de 2022;
  • Farmácia de Alto Custo – 7 de julho de 2022.
Hospital Central o símbolo das obras abandonadas em Mato Grosso e está há mais de 30 anos sob a promessa de término da construção (Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Recursos

Os recursos financeiros para a realização das obras totalizam R$ 208.316.061,19, sendo R$ 167.920.748,17 para o Hospital Central; R$ 12 milhões para o Lacen; R$ 20.395.313,52 para o Cermac e R$ 8 milhões para a Farmácia de Alto Custo.

Os valores são oriundos das adequações orçamentárias e financeiras com as Leis Orçamentárias Anuais de 2021 e 2022, e o Plano Plurianual 2020-2023, além de valores recuperados por meio de Termo de Adesão de Acordo de Leniência firmado entre o Estado de Mato Grosso e instituições compromissárias.

O não cumprimento do acordo de leniência pelas instituições não exclui a obrigação do Governo estadual de executar as obras e entrar o Hospital Central na data prevista.

Fiscalização e Transparência

O Governo do Estado deverá apresentar a cada quatro meses um relatório, ao MPF, com informações atualizadas sobre o cumprimento do cronograma dos processos licitatórios, da execução, da conclusão e da entrega das obras.

Caso ocorram fatos relevantes que atrapalhem a execução do acordo, como por exemplo, falta de insumos da construção civil ou mão de obra especializada, atraso injustificado das empresas contratadas, o Estado tem 30 dias, a partir do dia do ocorrido, para avisar o MPF. Assim, os prazos das obras poderão ser prorrogados.

O cumprimento das etapas dos cronogramas dos processos licitatórios, da execução, conclusão e entrega de todas as obras deverão ser divulgadas pelo Governo do Estado no site da Secretaria de Estado de Saúde a cada quatro meses.

Descumprimento das Cláusulas

Caso o executivo estadual não cumpra, total ou parcial, qualquer das obrigações previstas no acordo, em um prazo superior a 90 dias, o MPF poderá requerer o cumprimento do acordo de forma judicial, sem que o Governo possa se opor.

Também poderá ser requerido o pagamento de multa de R$ 10 mil por dia, além de 1% do valor total da obra que tenha sido objeto do descumprimento, a título de dano moral coletivo.

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Mudança de Planos

Durante as reuniões realizadas, o Governo do Estado explicou o porquê da substituição do Hospital Materno-Infantil pelo Hospital Central de Alta Complexidade de Mato Grosso: a assistência materno-infantil de baixa complexidade é atribuição municipal.

Outro ponto demonstrado pelo executivo estadual foi que a área construída aumentará de 9.391,07 m² para 33.788,18 m2 com a construção do Hospital Central de Alta Complexidade.

A unidade hospitalar irá contemplar as especialidades médicas de cardiologia, neurologia, vascular, ortopedia, otorrinolaringologia, urologia, ginecologia, infectologia, pediatria e cirurgia geral.

Outros serviços previstos

Os outros serviços de saúde, que estavam previstos para compor a “Cidade da Saúde”, serão construídos em outros locais, com a utilização de outras áreas e imóveis públicos que estão abandonados atualmente, a exemplo do antigo Hospital São Tomé, localizado no bairro Consil. O local será reformado e ampliado para dar lugar ao Cermac e ao Hemocentro.

Já a Farmácia de Alto Custo será instalada em um prédio público localizado na avenida Dom Bosco, no centro, após ser reformado e ampliado, como medida compensatória pela não execução do acordo firmado anteriormente.

LEIA TAMBÉM

O Hospital Central

Com o objetivo de proporcionar atendimento de referência em alta complexidade nas especialidades de traumatologia, ortopedia e urgência e emergência de trauma, o Hospital Central teve sua construção lançada em 1984. Mas, devido aos cortes de recursos do governo federal, a obra foi paralisada em 1987.

A construção da unidade hospitalar foi retomada pela gestão estadual em 1992, porém um desacordo entre o governo federal e o estadual não permitiu que a obra fosse concluída.

Em 2004, o governo estadual retomou as obras, que foram paralisadas novamente no mesmo ano. Em dezembro de 2015, o Poder Executivo anunciou a retomada das obras, assim como o projeto Cidade da Saúde, inacabados até os dias de hoje.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAlexandre de Moraes manda bloquear vaquinha de manifestação do 7 de Setembro
Próximo artigoDeputados apontam “excesso” na posição da Aprosoja e do cantor Sérgio Reis