Grampolândia: MPE fala em favorecimento e promiscuidade; saiba como foi 1° dia de julgamento

Cinco militares respondem por suposto envolvimento no esquema que grampeou políticos, jornalistas e amante

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

Começou nesta quarta-feira (6) o julgamento de cinco militares acusados de envolvimento do escândalo da Grampolândia Pantaneira. Acusações de favorecimento, promiscuidade e pedidos de absolvição pontuaram o primeiro dia.

São réus os coronéis da Polícia Militar Zaqueu Barbosa, Evandro Lesco Ronelson Jorge de Barros, o tenente-coronel Januário Edwiges Batista e o cabo Gerson Luiz Correa Junior.

Este julgamento não diz respeito ao crime de escutas clandestinas em si. Os militares respondem por ação militar ilícita, falsificação de documento, falsidade ideológica e prevaricação.

A audiência começou por volta das 14h20 e terminou próximo às 19h, com continuação marcada para quinta-feira (7). A acusação ficou por conta do promotor de Justiça Allan Sidney do Ó, que seguiu no julgamento com uma série de ironias.

“Pessoalmente, não tenho nada contra os senhores. Tenho contra o que vocês fizeram”, disse o promotor aos réus.

Favorecimento

O membro do MPE alegou, por exemplo, que o ex-governador Pedro Taques apenas ganhou as eleições de 2014 porque movia o esquema de grampos ilegais. Essa acusação foi levantada pelos militares envolvidos no caso.

Em depoimento, o coronel Zaqueu Barbosa disse que o caso começou quando Taques teria pedido que ele grampeasse adversários políticos.

“Não descarto a possibilidade de o governador Pedro Taques ter sido eleito por esse nefasto escritório de escutas ilegais”, sugeriu o Allan do Ó.

Pelas alegações do promotor de Justiça, Taques teria perdido, em primeiro turno, a disputa à reeleição em 2018, porque estava sem o escritório clandestino de grampos. Ele foi desarticulado em 2017, quando o caso veio à tona.

O promotor também sugeriu que o coronel Zaqueu Barbosa foi favorecido pelo esquema. Ele disse que com a eleição de Taques, ficou mais fácil para Zaqueu se tornar o “01” – ou seja, comandante da Polícia Militar. Ele chamou a eleição de Taques de “divisor de águas” na vida de Zaqueu.

Promiscuidade e responsabilização

O promotor falou em “promiscuidade” e leu partes do Inquérito Policial Militar, que foi presidido pelo coronel da reserva Jorge Catarino. O documento embasou a denúncia do Ministério Público e revelou grampos em amante, esposas e citou inclusive a vida sexual de uma deputada estadual.

Allan do Ó também defendeu que tanto o ex-governador quanto o ex-secretario da Casa Civil, Paulo Taques, sejam responsabilizados pelos grampos ilegais, se forem culpados. No entanto, disse que a ele cabe acusar apenas os militares.

Por isso também, ele defendeu que os pedidos de delação unilateral feito pelos militares sejam negados. “Não concedam tal monstruosidade”, disse, elevando a voz.

Ele lembrou do caso do ex-promotor de Justiça, Fábio Camilo da Silva, que foi exonerado do cargo depois de se envolver em uma série de ocorrências policias. “A lei é para todos, doa a quem doer”.

Absolvição e condenação

Durante as alegações, o membro do Ministério Público pediu a absolvição do coronel Ronelson de Barros e do tenente-coronel Januário Batista.

O promotor explicou, em entrevista à imprensa, que havia dúvidas quanto à participação dos dois. Nesse caso, segundo ele, a lei diz que os réus devem ser favorecidos. Eles eram acusados de ação militar ilícita, ou seja, agirem sem ordem superior (art. 169 do Código Penal Militar). A pena para esse crime é de três a cinco anos de prisão.

Quanto aos demais réus ele reforçou o pedido de condenação.

Contra Gerson, o promotor citou os crimes de falsificação de documento público e falsidade ideológica (art. 311 e 312 do Código Militar). Eles preveem, respectivamente, até seis e até cinco anos de prisão.

Evandro Lesco foi acusado de agir sem ordem superior, com a pena de até cinco anos de prisão.

enquanto os crimes de Zaqueu Barbosa seriam de agir sem ordem superior, falsificação de documento público e falsidade ideológica.

Depois de um intervalo de 10 minutos, a audiência seguiu com a advogada do tenente-coronel Januário, Tenaressa Della Líbera, que defendeu seu cliente, embora o MPE já tivesse pedido a absolvição.

Na defesa, citou que o cliente teve a vida exposta e tumultuada por causa dos grampos. Disse ainda que ele apenas cumpriu ordens superiores, sem saber do esquema.

A advogada ainda lembrou que o promotor de Justiça Mauro Zaque, que denunciou o crime quando era secretário de Segurança Pública também disse não entender por que o militar havia sido incluído na denúncia.

Depois das alegações, a audiência foi suspensa e deve retornar na manhã desta quinta-feira (7).

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPF vai investigar depoimento de porteiro do condomínio de Bolsonaro
Próximo artigoDelivery suspenso