Governo federal aporta R$ 10 mi para combate a incêndios no Pantanal

Anúncio foi feito pelo ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, em tom de defesa às criticas que o governo vem sofrendo

(Foto: Jeferson Prado)

O governo federal vai investir R$ 10 milhões em ações de combate aos incêndios florestais no Pantanal. O anúncio foi feito no início da tarde desta quarta-feira (16) pelo ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, que esteve em Cuiabá.

O dinheiro sairá dos cofres da Defesa Civil e o valor foi estipulado conforme um plano estratégico traçado pelo próprio governo de Mato Grosso. Segundo o governador Mauro Mendes (DEM), boa parte dos recursos deve ser aplicada na contratação de aeronaves.

Durante a entrevista coletiva em que o anúncio foi feito, Mendes afirmou que a situação saiu de controle porque os focos de queimada agora estão em área de difícil acesso, onde não é possível chegar por terra.

Vejo pessoas criticando à distância, falando asneiras, sem conhecer o que é o Pantanal. Existem locais que você não consegue acessar de forma alguma, se não for com aeronaves”, justificou.

(Foto: Jeferson Prado)

Mendes ainda disse que, mesmo com esses recursos, a presença de agentes de combate ao fogo em terra é fundamental, por isso, o descontrole da situação nos últimos dias.

Segundo ele, o governo de Mato Grosso já aplicou R$ 22 milhões em ações para o combate ao fogo. Cerca de 2,5 mil profissionais – entre servidores públicos, contratados e até voluntários – estão na linha de frente.

“O clima conspira contra nossos interesses. São mais de 100 dias de estiagem, de temperaturas extremamente altas”, completou o governador.

Esforço contra as críticas

Também num tom de defesa contra as críticas que o governo federal passou a receber nas últimas semanas, o ministro Rogério Marinho destacou que sua presença em Cuiabá significou uma “demonstração cabal” de um “apoio mais decisivo” da União para o enfrentamento da crise.

A exemplo de Mendes, Marinho citou as condições climáticas e previu que, justamente por conta delas, que dentro de 10 a 15 dias – quando o que chamou de “ciclo natural das chuvas” começar – a situação esteja razoavelmente controlada.

Na avaliação do governador Mauro Mendes, o prazo é mais longo. Segundo ele, o planejamento é de mais um mês e meio de trabalho, já que as primeiras chuvas após a estiagem não prometem ser suficientes para apagar o fogo, que se espalha.

Decreto de calamidade

O ministro ainda fez questão de ressaltar que a União estava de mãos atadas sobre a situação até que o governo de Mato Grosso decretou situação de calamidade no Estado. O ato foi assinado pelo governador Mauro Mendes na última segunda-feira (14).

(Foto: Mayke Toscano)

“Nós reconhecemos em tempo recorde esse decreto. Vamos liberar o recurso em menos de 24 horas”, pontuou o ministro.

Marinho ainda afirmou que mais dinheiro poderá ser investido, se o governo de Mato Groso julgar necessário, e lembrou que cidades como Poconé e Barão de Melgaço já haviam recebido auxílio antes, por requererem primeiro.

Perguntado sobre a demora para reconhecer a calamidade, o governador Mauro Mendes disse que, até então, as equipes do governo do Estado vinham conseguindo controlar e minimizar os focos de queimadas, o que só deixou de ocorrer há cerca de uma semana.

Mendes lembrou da visita do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Sales, ha cerca de um mês. Na ocasião, ambos sobrevoaram a região afetada pelo fogo e concluíram que a situação estava “dentro de uma certa normalidade”.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorGerenciamento de frota: R$ 1,3 milhão
Próximo artigoJBS Colaboradores – Fazer O Bem Faz Bem