Entenda porque fazendas são abandonadas no Pantanal e viram obstáculo no combate a incêndios

Por causa da estiagem, a previsão é que em 2021 tenha um período de queimadas parecido com o de 2020

Imagem feita pelo governo de Mato Grosso no dia 12 de setembro (Foto: Mayke Toscano/Secom-MT)

Em 2020, grande parte do Pantanal ardeu em chamas. O bioma teve a pior temporada de queimadas dos últimos 20 anos. Cerca de 40% do território devastado não pegava fogo desde 2001. Fazendas e áreas abandonadas entram na lista e se tornam, cada vez mais, obstáculos imponentes no combate ao fogo.

A previsão para 2021 não é muito animadora. O intenso período de seca que a região viveu no ano passado deve se repetir, aumentando as chances de desastres ambientais.

Durante a estiagem, ocorre o acúmulo de uma grande quantidade de material vegetal seco, que se transforma em combustível, favorecendo a ocorrência desses grandes incêndios.

Acontece que, sem moradores, animais ou o mínimo de cuidado, aumenta o acúmulo dessa massa de matéria orgânica, “que é quase uma gasolina”, como diz o integrante do Grupo Guardiões do Pantanal e presidente do Sindicato Rural de Poconé, Raul Santos Costa Neto.

(Boi é considerado o bombeiro do Pantanal)

A teoria do boi bombeiro

“Esse é o primeiro grande problema: o acúmulo de material seco que fica nas fazendas sem limpeza. A falta de animais também aumenta esse material. Existe um contexto para a história do ‘boi bombeiro’”, ele explica.

Por mais polêmica que seja a expressão, a afirmação de que o gado age como “bombeiro do Pantanal” tem base científica. O termo foi originalmente cunhado pelo pesquisador e professor aposentado da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Arnildo Pott.

Ao usar a expressão, ele refere-se especificamente ao papel fundamental na eliminação de pasto ou capim seco. “A falta do animal, lógico, aumenta a quantidade desse material”, afirma Raul.

Para Raul, porém, o fato mais relevante é a falta do ser humano no Pantanal. Sem moradores, não há ninguém para dar informações sobre a propriedade que precisa de cuidados e sobre acessos aos locais em chamas, por exemplo.

LEIA TAMBÉM

Abandono versus política pública

O abandono dessas áreas teve início há cerca de 30, 40 anos em função, principalmente, da falta de políticas públicas que incentivasse o uso da área. A ausência de apoio público, segundo Raul, inviabilizou a vida do homem pantaneiro e o uso do bioma.

“O pantaneiro tem dificuldade, o custo da produção subiu muito. Sem dinheiro, não tem como ficar na área. Hoje, o Pantanal está abandonado tanto pelo ser humano quanto pelo governo”, afirma.

Para além do uso da terra, Raul cita a falta de infraestrutura para sobrevivência das famílias: escolas, postos de saúde, estradas. “Como quer que o homem pantaneiro viva ali, se o governo não dá condições mínimas?”, questiona.

Mas nem sempre foi assim. Na década de 1940, tempos de outrora, a exemplo da região do Rio Alegre, haviam comunidades com “padarias, comércio, escola, posto de saúde. Já teve uma vida no lugar, já funcionou e hoje está abandonado”.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMãe confessa que matou Brian sufocado, amputou membros na pia e jogou fora em latas de leite
Próximo artigoProva adiada para agosto