Dívida de R$ 30 milhões: Justiça do Trabalho retoma caso dos 855 ex-funcionários da Santa Casa

Depois dos salários atrasados, ainda restam dívidas trabalhistas da crise vivenciada em 2019

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

A Justiça do Trabalho em Mato Grosso retomou o caso dos 855 ex-funcionários da Santa Casa de Misericórdia de Cuiabá que, em entre o final de 2018 e início de 2019, ficaram sem salário. A crise na insitutição levou ao fechamento ndo hospital que, mais tarde, acabou assumido pelo Governo de Mato Grosso.

Hoje, processos cobrando o pagamento de dívidas trabalhistas dessas pessoas – verbas rescisórias, FGTS não foi recolhido e até horas extras não pagas – ainda tramitam no Judiciário. A dívida dos antigos administradores do hospital é de aproximadamente R$ 30 milhões.

De acordo com informações do Tribunal Regional do Trabalho de Mato Grosso, uma rodada de reuniões será realizada. O intuito é firmar acordos para o pagamento dos débitos, evitando sentenças que determinem a penhora e venda de bens em leilão, por exemplo.

Devem participar desses debates de conciliação representantes da própria Santa Casa, do  sindicato dos trabalhadores e do poder público.

Salários atrasados

A crise na Santa Casa “explodiu” no dia 11 de março de 2019, quando o hospital chegou as portas porque não tinha mais condições de manter os atendimentos. Os funcionários já estavam sem receber seus salários desde outubro do ano anterior.

Na época, a alegação dos administradores foi que a origem da crise seria a falta de repasses de verbas do Sistema Único de Saúde (SUS) para o hospital. Uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) chegou a ser instalada na Câmara de Cuiabá.

LEIA TAMBÉM

A situação acabou resolvida meses depois, quando o Governo de Mato Grosso requereu o controle sobre os bens e serviços prestados no local. Os salários atrasados – cerca de R$ 11 milhões – foram pagos com dinheiro público, parte dele – R$ 3,5 milhões – de origem do orçamento da Assembleia Legislativa.

Antigos “donos”

Hoje, de acordo com a Justiça do Trabalho, a Sociedade Beneficente Santa Casa de Misericórdia ainda existe e possui empregados. São alguns poucos trabalhadores responsáveis por tarefas como reunir documentos necessários para defesas em processos judiciais.

E como a entidade não possui mais nenhum tipo de renda, essas pessoas também estão sem receber salários há vários meses.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorArthur Lira garante que irá pautar a privatização da Eletrobras
Próximo artigoMãe diz que namorada enterrou bebê encontrado sem pernas e braços