“Vai plantar árvore lá no país de vocês”, diz Mendes a ativistas que virão ao Brasil

Governador diz que os EUA e a Europa não têm condições de debater preservação ambiental com o Brasil

Foto: Ednilson Aguiar/O Livre

Governador de Mato Grosso, Mauro Mendes criticou a postura de ativistas do meio ambiente que devem vir ao Brasil para protestar contra a implantação da ferrovia Ferrogrão. Ele disse nessa quarta-feira (21) que países da Europa e os EUA não teriam condições de debater preservação de matas, por terem área verde menor que a brasileira. 

“Vir aqui protestar contra a Ferrogrão? Vai tomar na testa! Recebemos para o debate e começar a debater assim? Nós temos 80% da mata preservada nessa região [de Mato Grosso]. Qual é a sua região, nos Estados Unidos, França, da Europa? No dia em que vocês chegarem à metade do que nós temos, vocês voltam aqui pra conversar conosco. Se não, vai plantar lá no seu país”, afirmou. 

Representantes das entidades ambientalistas devem chegar ao Brasil no dia 15 de agosto. Coordenador-geral do grupo, o economista americano David Adler disse à agência Folhapress que devem se reunir na comitiva ativistas da Espanha, Alemanha e indígenas norte-americanos. 

A declaração dada por ele na entrevista é que o grupo vem Brasil para “derrotar” o projeto da Ferrogrão. A ferrovia com extensão de cerca de mil quilômetros liga Sinop (505 km de Cuiabá) ao porto de Miritituba, no Pará, e servirá para escoar a soja brasileiro de saída para outros países. 

“Eles têm lá 10 vezes mais ferrovias do que nós temos aqui [Brasil] e vêm dizer que nós não podemos fazer ferrovia? Aqui pra eles”, disse o governador, fazendo um gesto de “banana” com os braços. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anterior“Conversei com ele, que já aceitou”, diz Bolsonaro sobre convite a Ciro Nogueira
Próximo artigoTJMT diz que condicionar retorno das aulas a vacinação é inconstitucional