Ativistas de esquerda vêm ao Brasil para tentar barrar o projeto da Ferrogrão

Entidades estão ligadas ao grupo Internacional Progressistas, composto por países europeus e americanos

Foto: Dida Sampaio/ Estadão

Ativistas de esquerda devem desembarcar no Brasil no dia de 15 agosto para tentar barrar o andamento do projeto da ferrovia Ferrogrão. São representantes de entidades ligadas à Internacional Progressistas que tentam nova investida contra a ferrovia que escoará a soja do Brasil. 

Conforme informações da agência Folhapress, o coordenador-geral da organização, economista americano, David Adler, disse que a delegação está sendo fechada e deve incluir parlamentares da Espanha e Alemanha, lideranças indígenas dos EUA, ativistas ambientais e sindicalistas. Também deve haver representantes de países latino-americanos

“Vamos com uma ambição clara: queremos derrotar esse projeto. Se houver atenção e escrutínio internacionais, podemos enterrar a Ferrogrão”, diz Adler. 

A pressão mais acirrada dos ativistas começou na semana passada com o envio de uma carta a instituições financeiras, com o pedido de barrar crédito para construção da Ferrogrão. 

A carta foi assinada por cerca de 40 entidades da sociedade civil e de pesquisa. Eles alegam que a construção da ferrovia poderá gerar desmatamento do tamanho do Estado de São Paulo. 

Projeto 

A Ferrogrão é um dos projetos mais defendidos pelo governo federal e por empresários do agronegócio. Os trilhos, com cerca de mil quilômetros de extensão, ligarão Sinop (505 km de Cuiabá) ao porto de Miritituba, no Pará. 

Em visita a Cuiabá na sexta-feira (16), o ministro de Transporte, Tarcísio Gomes, disse que o projeto está orçado em cerca de R$ 17 bilhões, com investidor já previsto. Segundo ele, a ferrovia está travada por liminar do Supremo Tribunal Federal (STF). 

“É uma das ferrovias que mais tem sofrido ataques. O Brasil é o único país no mundo que é preciso explicar por que uma ferrovia é necessária. A alternativa à Ferrogrão seria duplicar a BR-163, que causaria maior impacto ambiental. Isso não é dito”, afirmou. 

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

5 COMENTÁRIOS

  1. Mas é uma desgraça mesmo uns infelizes desse tipo… Querem a todo custo e em nome sabe-se lá do que estrupiar o desenvolvimento do nosso país. Esse povo não tem o que fazer no país deles não gente??

  2. Tem que tirar esses estrupícios na bala,o país deles tem ferrovias, hidrovias,e tudo que tem direito, ferrovias são mais ecológicas do que rodovias, os trens poluem menos pra levar a mesma quantidade de carga,do que em caminhões, sumam daqui esquerdopotas dos infernos.

  3. Não querem o progresso do Brasil. Esta ferrovia irá baratear o custo da soja, que se tornará muito competitiva no mercado internacional e irá gerar enorme prejuízo aos outros países produtores. Está aí o motivo de toda esta gritaria da esquerdalha.

  4. Bando de vagabundos desocupado financiado por comunistas, socialistas que não produzem nada é a cara do PT….vem trabalhar bando de vagabundos quem sabe assim podemos baratear a comida na boca dos pobre para não venderem votos a vcs..

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorGoverno Bolsonaro vai leiloar bens apreendidos de traficantes
Próximo artigoConselho autua dentista que assinava certificados falsos de conclusão de curso