Suspeita da covid? Em Cuiabá, é preciso pagar pelo exame ou estar em situação gravíssima

Só hospitais fazem o teste pelo SUS e, para chegar a um deles, é preciso estar muito doente. Caso contrário, a orientação é: volte para casa

Quase dois meses de pandemia se passaram e Mato Grosso atingiu 900 casos da covid-19 com autoridades públicas comemorando – de certa forma – a baixa incidência da doença no Estado. Mas a realidade na porta das unidades de saúde aponta insistentemente para uma mais que provável sub-notificação.

Nesta segunda-feira (18), a reportagem do LIVRE esteve em duas policlínicas e uma UPA em busca de informação e descobriu que, se você não tem um quadro já agravado da doença, não vai conseguir ser testado a menos que pague.

Na teoria, pessoas com os sintomas causados pelo novo coronavírus em Cuiabá devem procurar tratamento primeiro nas unidades básicas, como Unidades de Pronto Atendimento (UPA) e “postinhos de saúde”, as Unidades Básica da Família.

“É o caminho da rede do atendimento do SUS. Na ponta, estão as unidades de emergências e urgências, depois, vêm as policlínicas e, por último, os hospitais. É um funil por qual qualquer pessoa que procura o SUS passa”, explica a gerente de Vigilância de Saúde, Flávia Guimarães.

Mas nesse caminho, a reportagem do LIVRE tropeçou em algumas pedras que podem significar a vida ou a morte de um paciente.

Quadro dos sintomas

O erro mais grave dos profissionais que atendem os pacientes que chegam nas unidades básicas está na orientação sobre o quadro dos sintomas.

Na Policlínica do Coxipó, uma enfermeira de plantão informou que o teste para diagnóstico da doença só está sendo considerado após 10 dias de sintomas graves: febre na casa dos 39º, falta de ar intensa e dores.

Em outras palavras, a pessoa com suspeita de infecção só deveria procurar a assistência médica já num quadro agravado, quando as chances de precisar de uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) são altas.

“Se não estiver com esses sintomas, o médico nem fazer o teste”, disse a profissional.

Uma informação rebatida pela gerente Flávia Guimarães. Segundo ela, a orientação correta é que a assistência médica seja procurada a qualquer momento em que os sintomas relacionados à covid-19 estejam fortes. Não necessariamente após 10 dias.

Com quase dois meses de pandemia, unidades de saúde ainda estão vazias, em preparação para receber demanda do novo coronavírus (Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre)

“O agravamento pode ocorrer em menos tempo. Não dá para estipular dias para o paciente voltar a procurar assistência para saber se está ou não com a doença. Se agravar, é preciso procurar”, Guimarães afirmou.

Só em hospitais

Nas unidades que têm “portas abertas” para o público também há desencontro de informação sobre onde se faz o testes.

Na Policlínica do Planalto, a equipe do LIVRE foi informada que os testes estão sendo realizados exclusivamente nos hospitais. Contudo, a do Coxipó diz que faz coleta de material para a avaliação.

A gerente de Vigilância de Saúde afirma que os testes estão sendo realizado somente ao “final do funil” do sistema de saúde, ou seja, pelos hospitais habilitados a tratar pacientes, como a Santa Casa e o Júlio Müller, ambos em Cuiabá.

E aqueles 10 dias?

Quanto aos 10 dias informado pela enfermeira plantonista, a gerente da Vigilância aponta o motivo da confusão. É que mesmo os pacientes internados – pelo que se viu, os únicos que estão sendo testados – têm que esperar 10 dias após os primeiros sintomas da covid-19.

A justificativa é que a doença não apresenta características que possibilitem sua identificação antes desse período.

“Estamos trabalhando para tentar identificar a doença ainda em situação moderada. Por enquanto, isso não é possível”, pontua.

O resultado é um Laboratório Central de Saúde Pública de Mato Grosso (Lacen-MT) trabalhando aquém de sua capacidade, como já afirmou o secretário de Estado de Saúde, Gilberto Figueiredo.

LEIA TAMBÉM

Enquanto isso, mato-grossenses que suspeitam estar com a doença têm que recorrer a laboratórios particulares para tirar a dúvida. Uma pesquisa rápida também feita pela reportagem do LIVRE identificou que o preço médio de um exame é de R$ 250, para o teste rápido, e R$ 370, para o resultado que leva de 5 a 7 dias para ficar pronto.

A própria Vigilância de Saúde de Cuiabá fornece números que apontam para isso. Segundo os dados, desde a penúltima semana de março – quando a pandemia teve início em Mato Grosso – só 48 das 274 pessoas diagnosticadas na Capital conseguiram o resultado positivo via Sistema Único de Saúde.

Dessas 48, quatro eram profissionais da saúde e o restante não tinha qualquer vínculo de trabalho com as unidades de atendimento.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

5 COMENTÁRIOS

  1. Uma amiga de meu filho que estava com um irmão em sua casa testado positivo não conseguiu fazer o teste. Aí tentou seu convênio Unimed, que escusou-se em autorizar o exame sob a alegação de ela não tinha os sintomas. Se quisesse teria que pagar 300,00 pelo exame particular.

  2. Fui a uma unidade com dor no corpo , dor de cabeça, garganta ruim, falta de paladar, só não estava com falta de ar, mas dor leve ao respirar, e sem febre… E vou falar não é por culpa dos médicos e enfermeiros que os testes não estão sendo feitos.. Não fiz o teste na hora . Volto na segunda, estou tomando Paracetamol, recomendação. Estou na casa dos 10 dias. Estava muito ruim no quarto e quinto dia muita dor mas só consegui encaixar na sexta-feira… Tomei por conta várias outros remédios que fizeram passar o crise de dor forte. Tenho comorbidades… Então assim… Se eu voltar pra casa e não estiver com todos os sintomas passo por muita gente, se for de ônibus. De carro passo para todos os meus familiares só esperar os 10 dias. Não tem lógica. Esse caso pandêmico não vai passar nunca.

  3. Façam uma reportagem com os planos de saúde. Que não querem aceitar fazer o exame. Se no contrato não está específicado qual tipo de exame pode ser feito. Todos deveriam fazer sem custos.

  4. Meu esposo está com todos os sintomas porem não está com a falta de ar intensa mais levemente desconfortável ao respirar ,foi ao PS de VG a médica nem sequer receitou um remédio não quis fazer o teste e disse se tratar de uma gripe e a falta de olfato e paladar tbem se dava pq ele sobe a Serra pra buscar verduras, enfim amanhã teremos que procurar um laboratório particular pra poder sanar as dúvidas pois pra se fazer teste no público só se vc estiver realmente na últimas quase morrendo msmo…uma vergonha muitas vidas poderiam ser poupadas se logo que tivesse os sintomas fossemos testados….vergonha este estado com corrupção na cara da população.

  5. Eu e meu esposo procuramos por atendimento no posto de saúde onde forneceram um telefone que não tivemos sucesso e não nos orientou tbm estávamos com os sintomas,minha cunhada foi a um hospital passando mto mal,com todos os sintomas e lá aplicaram uma diazepan e disseram p ir p casa dois dias após ela faleceu ,e quanto a mim e meu esposo tivemos que pagar para ter um resultado,sendo que no estado vizinho em pimenta Bueno rondonia a família do meu esposo estão todos sendo acompanhada pelo sus,atendimento em casa e ainda fazem dois tipos de teste absurdo ,onde está o dinheiro da pandemia

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSem velório, mas homenageada
Próximo artigoMais rigor para reabertura

O LIVRE ADS