Secretário diz que falta de comunicação e fake news levaram à prisão de pesquisadores

Dezessete profissionais contratados pelo Ministério da Saúde foram presos em duas cidades mato-grossenses após suspeita de fraude

(Foto: Reprodução/Jovem Pan)

Secretário de Saúde de Mato Grosso, Gilberto Figueiredo disse nesta terça-feira (19) que a falta de comunicação e as fake news levaram ao episódio de prisão dos pesquisadores contratados pelo Ministério da Saúde para mapear o contágio do novo coronavírus. 

“O grande problema foi a comunicação do próprio Ministério da Saúde e do governo do Rio Grande do Sul. Reverberou de forma ruim, porque os pesquisadores chegaram sem a população saber e, depois, veio a notícia que eram profissionais charlatões, entrariam nas casas para roubar”, disse. 

Conforme a Polícia Militar, 17 pessoas foram detidas em Rondonópolis (210 km de Cuiabá) e Barra do Garças (515 km de Cuiabá) na semana passada. 

A prisão ocorreu após a denúncia de moradores de que pessoas estavam coletando dados nas duas cidades para uma pesquisa nacional sobre a covid-19. 

A presença dos profissionais em pesquisa não foi confirmada pelas secretarias de saúde municipais, na ocasião. 

Levantamento 

A pesquisa do Ministério da Saúde é nomeada “Evolução da Prevalência de Infecção por Covid-19 no Brasil: Estudo de Base Populacional”. 

O estudo é financiado pelo Ministério da Saúde e coordenado pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel), do Rio Grande do Sul, e executado pelo Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (Ibope). 

O objetivo é avaliar como o coronavírus se propaga pelo país, por meio da testagem de anticorpos na população. Segundo o Ministério da Saúde, com o estudo, será possível identificar com que velocidade a população está adquirindo anticorpos contra a doença.  

O governo federal disponibilizou 150 mil testes rápidos que detectam a presença de anticorpos IgM (de infecção mais recente) e IgG (de infecção mais antiga) para o novo coronavírus, a partir de amostras de sangue.  

Com os resultados do estudo, será possível criar estratégias mais precisas para o combate da pandemia, além de ações e programas de prevenção. 

Conforme o Ministério da Saúde, o estudo será realizado em três etapas e prevê testar até 100 mil pessoas em 133 municípios espalhados pelo país.  

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMcDonald’s doa 300 refeições em Cuiabá na campanha McObrigado
Próximo artigoMais prejudicial que benéfico