Redução do ICMS não deve ser percebida nos postos de combustíveis, diz economista

Especialista afirma que a medida do Governo de Mato Grosso deve causar um impacto de R$ 0,36 e R$ 0,06 na gasolina e no diesel

(Foto: Marcello Casal jr/Agência Brasil)

A redução na cobrança de ICMS sobre a gasolina e o diesel, anunciada nesta terça-feira (28) pelo Governo de Mato Grosso, não fará diferença no bolso do consumidor. A tendência é que o valor que será retirado seja encoberto por alterações na composição do preço final dos produtos.

O governo propõe reduzir o ICMS da gasolina de 25% para 23% e, do diesel, de 17% para 16%. Em moeda, a desoneração representa um corte de R$ 0,36 e R$ 0,06, respectivamente.

“Isso não vai fazer diferença no bolso do consumidor, vai passar praticamente imperceptível. O ICMS nunca foi o vilão no preço do combustíveis, que tem uma política mais complexa. Em outras palavras, não depende mais do Estado do que de outros fatores”, diz o mestrando em Economia pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Fernando Henrique da Conceição Dias.

Ele explica que a paridade ao preço internacional (PPI) – uma política praticada pela Petrobrás – é que tem o maior peso na variação dos preços dos combustíveis. O modelo seria o responsável pela alta de 25% de janeiro a agosto, no caso do diesel, e de cerca de 40% para a gasolina.

E a revisão de 9% para o diesel também anunciada ontem (28) pela Petrobrás pressiona mais ainda a inflação, com provável impacto nos alimentos nas próximas semanas.

“Cerca de 60% do transporte rodoviário no país é feito com diesel, ou seja, o preço de abastecimento para o caminhoneiro vai subir. Isso vai pressionar o frete e estourar nos alimentos”, afirmou.

Outro fator que coloca maior controle nas mãos da estatal é a capacidade de refino. Cerca de 90% da indústria são vinculadas à Petrobrás.

Os gringos na Petrobrás

O governador Mauro Mendes (DEM) reconheceu que os cortes propostos por ele não vão aliviar o bolso dos condutores. E também apontou ser preciso uma mudança na política da Petrobrás para parar a escalada de preços.

“40% do lucro da Petrobrás são para acionistas estrangeiros, o dinheiro da alta do lucro da empresa está indo para o bolso dos gringos”, disse.

LEIA TAMBÉM

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCobertor curto
Próximo artigoAtor confirma final das gravações de Star Wars: Andor